V Colóquio da Revista Ensaio | Fotos

IMG_0173
Professora Fatima Cunha inicia o V Colóquio da Revista Ensaio ao lado do Presidente Carlos Alberto Serpa
IMG_0190
Presidente Carlos Alberto Serpa durante sua fala de abertura
IMG_0215
Professor Alvaro Chrispino apresenta a palestra “Poucas pesquisas e poucas relações: o perfil da produção brasileira sobre violência”
IMG_0229
Professor Candido Alberto Gomes apresenta a palestra “Pouca pesquisa e pouca ação: elos entre pesquisadores e decisores”

IMG_0209

Fotos: Claudio Pompeu

Anúncios

Baixe aqui o conteúdo apresentado no V Colóquio da Revista Ensaio: Violências nas Escolas: Muita Palavra, Pouca Ação?

 Professor Alvaro Chrispino: Poucas pesquisas e poucas relações: o perfil da produção brasileira sobre violência

1slideavalro

Baixe aqui a apresentação em Power Point

Na página de download, clicar em bpn

 

Professor Candido Alberto Gomes: Pouca pesquisa e pouca ação: elos entre pesquisadores e decisores

1slidecandido

Baixe aqui a apresentação em Power Point

Na página de download, clicar em bpn

 

‘A escola é a cidade de ninguém’, diz professor do DF sobre a violência que domina o ensino público na capital

Sandro Guidalli/R7

Fonte: R7

“A escola é cidade de ninguém”. Esta é a conclusão de um professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal, que trabalha há 10 anos e atualmente leciona em uma unidade de ensino pública de Samambaia, região administrativa do DF a 25 km de Brasília. Os casos de violência contra professores, que vão de ameaças e constrangimentos psicológicos a agressões físicas, cada vez mais frequentes e que partem, quase sempre de adolescentes, segundo relata Polyelton Oliveira.

A versão do profissional se parece muito com a de outra professora, que há três anos dá aulas a crianças de até 10 anos. Débora Menezes reafirma que as agressões em sala de aula são frequentes, e no caso dela, chegou a pauladas e pedradas vindas de uma criança. Ela e outros professores interferiram em uma briga de dois alunos, no horário do intervalo das aulas. Irritado, um dos envolvidos na confusão disse à professora que ela se ela não o soltasse, ia de arrepender. E foi o que aconteceu.