O mercado da competência linguística e o nível socioeconômico

Kaizô Iwakami Beltrão, Professor Titular da EBAPE/FGV e Chefe da Estatística do Departamento Acadêmico da Fundação Cesgranrio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

A literatura está repleta de estudos que mostram que a competência linguística é um fator essencial para o sucesso na vida escolar, e mais tarde, para o sucesso na vida laboral. Grande parte do sucesso no manejo da língua oral e escrita é uma herança familiar. Mas, será que esta herança ainda é importante nos níveis mais altos de ensino?

Diferentemente do senso comum de uma escola equalizadora, Bourdieu e Passeron (1970) defenderam a tese de que a escola seria o principal locus para legitimar e perpetuar as diferenças de classe. Isso é reforçado pelos múltiplos testes de proficiência utilizados para monitoramento de políticas públicas, que privilegiam o uso da linguagem formal como parte dos instrumentos e, portanto, penalizam os participantes com menor domínio da língua. No mercado de trabalho, exames e entrevistas pessoais também privilegiam a linguagem formal.

O texto “Effects of social class on the use of written language: does it extend into Brazilian higher education?” publicado no v. 20 n 112 da na revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação procura responder a questão se há um efeito estatisticamente significativo de classe social no manejo da linguagem formal. Utilizando dados dos exames do Enade, foram ajustados modelos hierárquicos para as notas de desempenho linguístico (português), usando como covariáveis, indicadores da condição socioeconômica e autonomia financeira dos alunos e valores médios dessas variáveis para as áreas de conhecimento. O desempenho linguístico é desagregado em três aspectos: textual, ortográfico e vocabulário/morfossintático.

Imagem: Adobe Stock.

Classes sociais mais altas apresentaram maior proficiência no componente linguístico do Enade, mesmo controlando pela média do nível socioeconômico e da autonomia financeira dos alunos da área. O efeito classe social não é tão forte quanto em níveis educacionais mais baixos, mas universitários constituem um grupo social homogêneo que já passou por uma seleção (só 17,4% da população de 25 anos ou mais tem curso superior). Isso reforça a tese de Bourdieu (1966) de que por meio do capital social, cultural e econômico ainda prevalece o domínio das classes mais ricas sobre as classes mais populares, reforçando a desigualdade.

O comentário final é o óbvio: É importante implementar políticas com foco específico na eliminação destas desigualdades educacionais, em particular, nas competências ligadas ao manejo da linguagem formal. Disponibilizar educação para todos não pode ser suficiente, há que se disponibilizar educação de qualidade para todos.

Referências

BOURDIEU, P. L’école conservatrice: Les inégalités devant l’école et devant la culture. Revue française de sociologie [online]. 1996, vol.07, no.03, pp. 325-347 [viewed 26 July 2021]. Available from: https://www.persee.fr/doc/rfsoc_0035-2969_1966_num_7_3_2934

BOURDIEU, P. and PASSERON, J. C. La reproduction. Éléments d’une théorie du système d’enseignement. Paris: Minuit, 1970.

Relatório Formação Geral – Desempenho Linguístico Enade 2019 [online]. INEP. 2019 [viewed 26 July 2021]. Available from: https://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/relatorio_sintese/2019/Enade_2019_Relatorios_Sintese_Area_Formacao_Geral_-_Desempenho_Linguistico.pdf

Relatório Formação Geral – Desempenho Linguístico Enade 2018 [online]. INEP. 2019 [viewed 26 July 2021]. Available from: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/relatorio_sintese/2018/Formacao_Geral_Desempenho_Linguistico.pdf

Para ler o artigo, acesse

BELTRÃO, K. I., et al. Effects of social class on the use of written language: does it extend into Brazilian higher education? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação [online]. 2021, vol.29, no.112, pp.618-6432019 [viewed 26 July 2021]. https://doi.org/10.1590/S0104-403620210002903156. Available from: http://ref.scielo.org/8n53nq

Links Externos

Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação – ENSAIO: www.scielo.br/ensaio

Para os alunos das Classes de Alfabetização de Jovens e Adultos

Por Rosa Torte*

O preço da liberdade
não é medido em dinheiro.
Usando de lealdade,
partindo da realidade,
mostro o justo e verdadeiro.

A liberdade começa
naquele grande momento…
O jovem e o adulto têm pressa.
Estão cansados de esperar! …
Que ele chegue sem demora,
já passou a sua hora,
não se pode retardar.

A liberdade começa
com o domínio da leitura,
da escrita, da assinatura,
e dos cálculos, também.
Pois, no mundo dos letrados,
eloquentes e estudados.
Quem não lê, valor não tem …

A liberdade começa
com o fim da humilhação
que o analfabeto passa,
para ele uma desgraça,
que não tem comparação:
Para seu nome marcar,
para se identificar,
fazê-lo com o polegar,
pondo tinta em sua mão!

Entre os que não sabem ler
Encontramos persistentes
São pessoas resistentes,
Pessoas abnegadas,
Que mesmo estando cansadas,
sonolentas, alquebradas,
se esforçam para aprender!

Jovem ou adulto que frequenta
a alfabetização
ao contar a sua história
muito viva na memória
faz emergir a emoção.
Fala da vida sofrida,
da exclusão percebida,
descrevendo sua lida,
nos tocando o coração,
nos dando grande lição.

Se sentem inferiores
por serem analfabetos
Desconhecendo valores
por eles vivenciados
aprendidos, praticados
na vida, sem professores.

É preciso compromisso.
Ninguém deve ser omisso
frente a tal situação.
Esse problema tem jeito,
muito plano já foi feito…
É grande a necessidade,
de se dar continuidade.
Está faltando a integração!

A sociedade inteira
precisa dar atenção
ampliar sua visão
E abraçar a questão
Daquele que ainda não lê.
Ele não é invisível! …
Pode estar perto de nós.
se lhe derem vez e voz,
ele sai da “escuridão”.

A inclusão social
tão proposta ultimamente,
Só poderá ir em frente
com a alfabetização.
Pessoas esclarecidas:
Cidadania, autoestima
Cuidados, preservação,
se farão muito presentes.
O que está faltando, então?

Poema apresentado durante o evento Conversa com o Autor, no dia 09 de março, na Fundação Cesgranrio.

Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e Fundação Cesgranrio inauguram parceria com lançamento de dois projetos

Fonte: Portal Maxpress

premio

Para fomentar a produção cultural em todo o país, com especial atenção para o Rio de Janeiro, a Fundação Cesgranrio e a Secretaria de Estado de Cultura (SEC) lançaram nesta quarta, dia 21 de outubro, uma nova parceria para estimular talentos em dois âmbitos: literário e audiovisual.

O Prêmio Rio de Literatura tem o objetivo de incentivar escritores de todo o país. Além de distribuir prêmios em dinheiro, a iniciativa vai viabilizar a edição e publicação da obra eleita na categoria voltada para novos autores fluminenses. Já o Edital Elipse (Programa Estadual de Fomento ao Curta Universitário) irá selecionar projetos de estudantes de faculdades do estado do Rio de Janeiro para produção de curta-metragens. Juntas, as iniciativas somam recursos de R$ 360 mil aos contemplados.

Para a Secretária de Estado de Cultura, Eva Doris Rosental, “é com alegria que estabelecemos esta parceria com a Cesgranrio, uma vez que a cultura e a educação devem andar juntas. Estamos aliados numa ação pensada para premiar talentos, não só no estado do Rio de Janeiro, mas também em âmbito nacional, em duas áreas de enorme importância que, não raro, dialogam entre si, com obras que migram de um terreno para outro: as da produção literária e do audiovisual”.

O presidente da Cesgranrio, Carlos Alberto Serpa, celebrou a parceria e declarou que estas novidades vêm ao encontro do objetivo máximo da Fundação, que é promover a melhoria da Educação no país. “Para nós, é um privilégio nos unir à Secretaria para promover a ambiência cultural em nosso estado e em nosso país, já que este é um elemento fundamental para a promoção do ensino. Por isso, a Fundação vem investindo sempre mais em novos projetos e ações que, muitas vezes, são levados para dentro da sala de aula, estimulando que os estudantes brasileiros tenham a oportunidade de vivenciar e se beneficiar da cultura”.

Prêmio Rio de Literatura

Com a intenção de reconhecer a qualidade da produção literária nacional, o Prêmio Rio de Literatura vai selecionar as melhores obras em duas modalidades: Obras Publicadas e Novo Autor Fluminense.

Para concorrer à modalidade de escritores experientes, existem duas categorias: Ficção e Ensaio. Em ambos os casos a primeira edição das obras inscritas deverá ter sido publicada no período compreendido entre janeiro de 2014 e setembro de 2015. Os autores dos livros selecionados serão premiados, cada um, com R$ 100 mil.

A segunda modalidade, exclusiva para descobrir os novos talentos do estado do Rio de Janeiro, vai abranger novos nomes da literatura que tenham nascido ou residam no estado do Rio de Janeiro. A iniciativa, além de oferecer R$ 10 mil ao vencedor, ainda vai viabilizar a edição e publicação de mil exemplares de sua obra, que serão doados ao autor e distribuídos para bibliotecas públicas e comunitárias do estado.

O professor Arnaldo Niskier, integrante da Academia Brasileira de Letras e um dos curadores do Prêmio, ressaltou que a iniciativa atende a um amplo público e condiz com os objetivos da Cesgranrio e da Secretaria de Estado de Cultura: “Dentro da filosofia de trabalho do professor Carlos Alberto Serpa figura o destaque à programação de eventos culturais. Dentre esses, além da valorização das atividades teatrais e musicais, está também o enlevo devido à literatura. Assim, coerente com essa decisão e por meio de saudável parceria entre a Fundação Cesgranrio e a Secretaria de Estado de Cultura, está sendo lançado o prêmio Rio de Literatura, que chega em boa hora e que certamente vai despertar o interesse de milhares de escritores brasileiros”.

As inscrições para o Prêmio “Rio de Literatura” acontecerão de 26 de outubro a 9 de novembro de 2015, somente pelo site do Centro Cultural Cesgranrio: http://cultural.cesgranrio.org.br/. A divulgação das 60 obras finalistas acontecerá em fevereiro do ano que vem. Os vencedores serão anunciados em maio de 2016.

Edital Elipse

Estudantes universitários dos cursos de Comunicação Social, Cinema e TV, Rádio e TV, Estudos de Mídia, Produção Cultural, Cinema e áreas afins poderão, a partir de 21 de outubro, inscrever produções de curtas-metragens no edital “Elipse”, programa estadual de fomento ao curta universitário.

A chamada pública, que seguirá com inscrições abertas até 30 de novembro, vai selecionar 12 projetos de curta-metragem para apoio total de realização, com o valor de R$ 12.500,00 para cada um. A produção deverá ter duração mínima de cinco minutos e de, no máximo, 15. Para fazer a inscrição, é necessário que os alunos tenham pelo menos 18 anos e sejam estudantes do ensino superior das redes pública ou privada. A temática do conteúdo a ser desenvolvido no filme é livre.

A abrangência do edital “Elipse”, que compreende não só alunos dos cursos de Cinema, mas também estudantes de outros cursos, como o de Estudos de Mídia, é um dos fatores essenciais para estimular a diversificação da produção audiovisual e inserir novos profissionais no mercado, como avalia o secretário do Centro Cultural da Fundação Cesgranrio, Leandro Bellini.

“O estímulo à produção de curtas universitários é uma das melhores formas de desenvolvimento de conteúdo audiovisual, porque alia a prática profissional à experimentação, ainda no ambiente acadêmico. Este edital atende a alunos de várias áreas e, como a temática é livre, é possível desenvolver roteiros de ficção, documentários, reportagens e tantas outras formas de narrativas”, afirmou Bellini.

Antes do início das inscrições, entre os dias 15 a 23 de outubro, uma caravana de instrutores da SEC vai percorrer universidades públicas e privadas para divulgar o lançamento do edital. Mais informações sobre o edital e as condições de inscrição podem ser obtidas no site www.cultura.rj.gov.br, por e-mail (audiovisual@cultura.rj.gov.br) ou por telefone (2216-8500, ramal 242).

Estado e Fundação Cesgranrio anunciam Prêmio Rio de Literatura nesta quarta-feira

Fonte: O Globo

Autores de ficção e ensaios receberão R$ 100 mil

Rio – Os escritores brasileiros ganham, a partir desta quarta-feira, uma nova premiação literária. Parceiros na empreitada, a Secretaria Estadual de Cultura e a Fundação Cesgranrio vão anunciar, em cerimônia marcada para as 11h, o Prêmio Rio de Literatura. A láurea terá duas categorias: ficção e ensaio. Os autores escolhidos pelo júri receberão R$ 100 mil cada.

Para os talentos nascidos no estado foi criado, ainda, o troféu Novo Autor Fluminense, que viabiliza a edição e publicação de mil exemplares. As cópias impressas serão divididas entre o vencedor e as bibliotecas públicas e comunitárias do estado. O ganhador recebe também pagamento no valor de R$ 10 mil.

A curadoria do prêmio fica a cargo de Arnaldo Niskier, Marcos Vilaça, Italo Moriconi e Beatriz Resende, Carlos Alberto Serpa de Oliveira e Eva Doris Rosental, secretária de cultura do estado.

— O prêmio vem preencher uma lacuna — diz Eva Doris.

Sobre possíveis comparações com o Prêmio São Paulo de Literatura — promovido pela Secretaria Estadual de Cultura paulista desde 2008 e um dos mais importantes do país, pagando R$ 200 mil aos vencedores em três categorias —, a secretária diz que “não é hora de olhar para o lado”.

— Mas não fazia sentido que o Rio não tivesse um prêmio literário desse porte. Isso não condiz com a estatura do estado para a literatura brasileira — argumenta.

As inscrições vão de 26 de outubro a 9 de novembro de 2015. Os autores devem se cadastrar no site do Centro Cultural Cesgranrio.

As 60 obras finalistas serão divulgadas em fevereiro de 2016, e os vencedores serão anunciados em maio. Para concorrer, autores veteranos devem ter publicado obras entre janeiro e setembro de 2015. Os jovens escritores, por sua vez, precisam nunca ter publicado livro algum.

A Festa Julina do Projeto “Apostando no Futuro”

Por Rosa Torte

A Festa Julina do Projeto “Apostando no Futuro” foi um sucesso. Ela realizou-se na tarde do dia 30 de julho, no Clube Ginástico Desportivo.

Compareceram, em média, 260 pessoas, entre beneficiários do Projetos, seus familiares, e alguns colegas da Fundação Cesgranrio. Barraquinhas com comidas típicas, jogos de argolas e latas para derrubar e boca do palhaço fizeram a alegria dos participantes, levando em conta que todos serviam-se das deliciosas iguarias e que todos os jogadores tinham direito a ganhar prendas.

Merece destaque a Dança da Quadrilha. A primeira apresentada pelas crianças que, vestidas com trajes típicos, com muita animação e marcação eficiente, empolgaram a plateia com uma variedade de movimentos ritmados. A segunda, apresentada pelos adultos, que caracterizados com muito capricho, sob marcação impecável, executaram belos passos para o encanto dos presentes.

Um aspecto relevante foi a alegria e o entusiasmo demonstrados pelos participantes, de todas as idades, que certamente viveram bons momentos nesta tarde festiva.

O Projeto de Desenvolvimento Social “Apostando no Futuro” é patrocinado integralmente pela Fundação Cesgranrio e envolve as comunidades de seu entorno, a saber: Paula Ramos, Vila Santa Alexandrina, Parque André Rebouças e Escadaria, no bairro do Rio Comprido.

Professor Marcelo Pereira Marujo, Professora Terezinha Saraiva e Professora Rosa Torte
Professor Marcelo Pereira Marujo, Professora Terezinha Saraiva e Professora Rosa Torte / Foto de Márcio Galli

Professora Fátima Cunha, Professor Marcelo Pereira Marujo e Professora Terezinha Saraiva
Professora Fátima Cunha, Professor Marcelo Pereira Marujo e Professora Terezinha Saraiva / Foto de Márcio Galli

IMG_9587
Foto de Claudio Pompeu

IMG_9600
Foto de Claudio Pompeu

IMG_9647
Foto de Claudio Pompeu

IMG_9780
Foto de Claudio Pompeu

IMG_9820
Foto de Claudio Pompeu

IMG_9772
Foto de Claudio Pompeu