Há cem anos nascia Paulo Freire

Cem anos do autor de Pedagogia do oprimido, se estivesse vivo. Mesmo não estando, sua obra está.

Pedagogia do Oprimido, uma de suas obras mais extraordinárias, aborda a luta pela desalienação, pelo trabalho livre, pela afirmação dos seres humanos como pessoas e não coisas. É uma obra para os revolucionários, como ele. Para todos aqueles que se comprometem com os oprimidos, para, com eles e ao lado deles, lutar para construir um mundo em que seja mais fácil amar.

Para Freire a Educação liberta.

E por isso, Paulo Freire vive.

#FreireumEducadordoPovo

A Educação durante e depois da pandemia

Candido Alberto Gomes; Susana Oliveira e Sá; Enrique Vázquez-Justo; Cristina Costa-Lobo

https://www.scielo.br/j/ensaio/a/qKJf3GyW4GFf7dVBRvBhXys/…

A Educação durante o período da pandemia da Covid-19 frequentemente recebeu tratamento improvisado e irrealista, por isso cumpre desde já planejar o período pós-pandêmico. Conforme a análise da literatura e da documentação, escancararam-se as fraturas sociais, inter e intranacionais existentes, detectadas pelas teorias. Além da Covid-19, geraram-se crises dentro da crise, como o empobrecimento e a violência. As perdas tendem a ser gerais, porém os menos favorecidos foram os mais prejudicados. Cumpre não repetir os erros nem restaurar o passado sem mudanças, pois as circunstâncias são outras. Além do déficit de aprendizagem, é preciso recuperar a Educação em suas diversas finalidades. Para tanto, cabe apoiar educadoras.es, estudantes e famílias, enfocando os menos privilegiados, com a participação das forças vivas da comunidade e da sociedade.

Palavras-chave: Desigualdades Educacionais; Pandemia; Saúde e Educação; Desenvolvimento da Pessoa Humana; Família

Ensaio 111

Ensaio 111 no Scielo

Ainda tempos estranhos

Sonia Nogueira

Na esquina do tempo que dobramos em janeiro, não encontramos respostas às perguntas que, cansados, fizemos em dezembro. O que fomos, o que somos e o que seremos têm novos contornos nestes tempos de pandemia, que não acreditávamos que poderia ser tão longo, a nos desafiar desenhando um “novo normal”.Arendt (1998, p. 46), explorando o sentido da política, expõe que: “Tarefa e objetivo da política é a garantia da vida no sentido mais amplo. Ela possibilita ao indivíduo buscar seus objetivos, em paz e tranquilidade, ou seja, sem ser molestado pela política”.

Mas, nas últimas décadas do século XX, a globalização desafiou, e ainda desafia neste século XXI, os quadros de referência da política.Ianni assinala o desenvolvimento da globalização, identifica um mundo sistêmico e explicita: “A partir dos interesses que predominam na economia política mundial, mas influenciando a política e a cultura, desenvolve-se uma crescente e abrangente articulação sistêmica do mundo” (1997, p. 26). Perguntamos, então: como essa articulação influencia a política no mundo?Esse cenário de articulação sistêmica ainda é o igual hoje, apresentando desafios a pesquisadores, professores, decisores e gestores no campo da Educação, promovendo e nutrindo o exercício do diálogo no meio acadêmico, nas associações científicas, no âmbito do sistema de ensino, no interior das escolas, cobrando compromisso e ação do poder público.

Hoje, em tempos de pandemia, em novos contornos, a sociedade e a economia enfrentam uma crise geral, que se manifesta na esfera da vida de cada pessoa, um problema político. Não é um problema local de saúde pública. É um problema de primeira grandeza que aparece em toda a mídia e inquieta, amedronta, estarrece com seus dados estatísticos de letalidade e de incapacidade dos sistemas públicos de saúde de responderem com eficiência à demanda de atendimento aos infectados. E põe em xeque a capacidade dos governantes de promoverem as ações necessárias e urgentes na área de saúde pública.

A saúde é um direito social de todos, garantido pelo artigo 6º da Constituição Federal (BRASIL, 1988), em seu Capítulo II DOS DIREITOS SOCIAIS, Título II, que trata dos direitos e das garantias fundamentais. Mas, também a Educação é um direito social e não pode ser pensada desvinculada da cultura, do meio ambiente, da saúde, do combate à fome, do bem-estar social, da segurança e de outros elementos da complexa estrutura de um Estado. Pensar Educação exige atentar para sua complexidade e, no Brasil, a gestão pública carece de projeto articulados que “se somem, se alimentem, de modo a construir uma engrenagem autossustentável”, como argumenta Mosé (2013, p. 14).

Nos dias atuais, temos os direitos sociais conquistados na Constituição de 1988 sob ameaça. A desigualdade econômica e a desigualdade social, pensando-se nos direitos civis estabelecidos, permitem identificar parcelas da população como: privilegiados; cidadãos “de segunda classe”, que são denominados “cidadãos simples” por Carvalho (2007) e a grande população marginal das grandes cidades, que não se sentem protegidos pela lei e pela sociedade. O que o autor descreveu há duas décadas é a realidade dos milhões de pobres, de desempregados, de analfabetos e de semianalfabetos, de jovens nem-nem (nem escola, nem trabalho), problemas de pobreza e de desigualdade que a democracia política precisa enfrentar.

Esse cenário assinala a dificuldade de nosso sistema político de produzir resultados que promovam a redução da desigualdade e o fim da divisão dos brasileiros em segmentos separados pela Educação, pela renda, pela cor da pele.A Educação ocorre num contexto cultural e social, e não num vazio social abstrato. É preciso atentar para as variáveis que intervêm nesse processo. O que é preciso fazer, então, quando há a constatação das desigualdades no sistema de ensino e é preciso superá-las? Quando a necessidade do isolamento social imposta pela situação de uma pandemia fechou escolas e gerou questões, entre outras, que não se levantavam em relação ao cumprimento do ano letivo com todos os elementos que o compõem, quer no sistema público de ensino, quer no sistema das escolas particulares?Pensando apenas nos alunos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, constatamos que o período de fechamento das escolas, e consequente adoção do ensino remoto, desvelou a questão da diferença profunda de acesso dos alunos a recursos tecnológicos e educacionais, refletindo as desigualdades socioeconômicas que apontamos. Perguntamos, então: como ficam as questões da aprendizagem? Mas, há ainda as questões da segurança alimentar e o convívio social que as escolas oferecem.

Há um impacto socioemocional que atinge crianças e adolescentes.Voltar às aulas é uma questão urgente que se apresenta nos diferentes planos dos entes federativos como decisão a ser tomada e a reabertura das escolas precisa ser em conjunto com os gestores da saúde pública, mas não apenas com eles, não se podendo ignorar a possibilidade de sucessivos fechamentos. Mas é também preciso deter o olhar no Ensino Superior. Atentar para a amplitude do desafio que se põe.E nesse longo período em que nossas escolas sofreram o abalo do fechamento, poderíamos perguntar: em que passo andaram o pensamento e a razão, que perspectivas se desenharam? O que a herança deixada pelos educadores do século XX poderia nos ter oferecido para pensarmos uma realidade tão diversa? O que a efervescência das ciências sociais e humanas, nestas duas primeiras décadas do século XXI, fez brotar na leitura do mundo?Continue a ler em :

https://www.scielo.br/j/ensaio/a/m6wmfrmj3QvcT8mYmXwzHjP/?lang=pt

Ensaio 109

Ensaio 109 no Scielo!https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc…O número da Ensaio que encerra o ano de 2020 traz um releitura de um artigo antigo do professor Cândido Gomes, bastante acessado no Scielo: “Escola de qualidade para todos revisitada: desfolhando as camadas da cebola”. O novo texto atualiza o primeiro e traz considerações relevantes sobre o tipo de Educação que queremos. Além de textos sobre os Planos municipais de Educação do Estado do Rio de Janeiro (Jorge Najjar, Marcelo Mocarzel e Karine Morgan); Educação superior na China; rendimento escolar entre alunos de áreas urbanas e áreas rurais, a eficiência dos gastos públicos no Ensino Superior e por último, mas não menos relevante, o texto da professora Ana Maria Eyng e do professor João Casqueira “Direitos da infância em contextos de necessidades humanitárias: fatores de risco e demandas educativas”Boa leitura!

Profissional valorizado e com boa formação garante uma educação avançada e de qualidade

Fonte: Ministério da Educação

Oficializado como feriado escolar pelo Decreto Federal Nº 52.682/63, o Dia do Professor é comemorado anualmente no país no dia 15 de outubro. “Uma educação pública de qualidade passa necessariamente pela valorização dos professores”, avalia o ministro da Educação, Mendonça Filho, ao defender a importância de estimular o professor nessa nobre missão de ensinar.

“Vamos ampliar a formação do professor com programas melhor formatados e apoio aos programas já existentes”, garante o ministro. Além disso, ele destaca a criação de oportunidades para atrair jovens para cursos de formação de professores e o acesso à formação continuada. Para Mendonça, as festividades realizadas nas instituições de ensino, envolvendo pais e alunos, promovem e reforçam a função de mestre que o professor tem na sociedade moderna.

“Quando falamos em educação básica precisamos dos prefeitos e governadores, dos secretários estaduais e municipais de educação e dos coordenadores, para mobilizar ao máximo os professores do Brasil em favor de uma educação pública de boa qualidade”, explica Mendonça Filho, que vê o professor como peça chave para a construção de uma educação de qualidade e avançada. Leia mais

Antônio Gois e Maria Helena Guimarães de Castro no Educação 360

Antônio Gois e Maria Helena Guimarães de Castro discutem, no Educação 360, acerca da medida provisória (MP) sobre a reforma do Ensino Médio apresentada pelo governo federal nesta quinta-feira (22).

Professora Fátima Cunha, editora da revista Ensaio, e a secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, no Educação 360

img_5137

A Professora Fátima Cunha, Editora da revista Ensaio, e a secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, prestigiam a terceira edição do Educação 360, um encontro internacional que reúne pessoas que vivenciam e pensam a educação sob diferentes e novos pontos de vista e põem em prática iniciativas transformadoras.

Continue Lendo “Professora Fátima Cunha, editora da revista Ensaio, e a secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, no Educação 360”

Reitores conhecem detalhes sobre nova avaliação de estudantes

Fonte: Ministério da Educação

Cerca de 250 reitores de instituições de ensino superior e coordenadores de curso de graduação em medicina se reuniram nesta terça feira, 13, no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para conhecer detalhes sobre a Avaliação Nacional Seriada dos Estudantes de Medicina (Anasem). Previsto na Lei nº 12.871/2013, que instituiu o Programa Mais Médicos, o exame será aplicado pela primeira vez em 9 de novembro deste ano, inicialmente a estudantes do segundo ano dos cursos de medicina.

A presidente do Inep, Maria Inês Fini, destacou que o formato final da avaliação tem evoluções em relação à primeira proposta, instituída em 1º abril pelo Ministério da Educação. Ela explicou que a Anasem foi concebida, a princípio, como um instrumento único, integrado ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos no Exterior (Revalida). No entanto, MEC e o Inep decidiram rever essa decisão e, em 25 de agosto, publicaram portaria determinando que a Anasem seja um instrumento articulado ao Revalida, mas independente tanto nos objetivos quanto na aplicação e metodologia.

Maria Inês enfatizou ainda que os resultados da avaliação poderão servir de referencial de qualidade do ensino médico e se constituir em modalidade única ou complementar aos processos de seleção para residência médica. De acordo com a presidente do Inep, outra modificação importante é a determinação de que a responsabilidade pela inscrição na prova é das instituições de ensino superior. “Na primeira versão da portaria, cabia aos estudantes habilitados fazer esse procedimento. Porém, a participação na avaliação é um componente curricular obrigatório para a obtenção dos diplomas dos cursos de medicina”, disse.

Prova – A formação adequada dos estudantes de medicina é o foco da avaliação. Serão considerados os conhecimentos, as habilidades e as atitudes desenvolvidas durante a graduação, tendo como referência as diretrizes curriculares nacionais desses cursos. O Inep, responsável pela gestão da prova, constituirá o Comitê Técnico de Avaliação da Formação Médica.

As provas da primeira edição da Anasem serão realizadas das 13h às 19h (horário de Brasília) do dia 9 de novembro, nas próprias instituições onde o curso é oferecido. Serão 60 questões de múltipla escolha e três itens discursivos. As inscrições devem ser realizadas pelas instituições de 15 a 20 de setembro, no portal do Inep.

Professora Mírian Paura fala sobre a atual situação da Educação no Brasil

Em entrevista à revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, a Professora Mírian Paura, Orientadora Educacional (UERJ) e Doutora em Filosofia pela Universidade Gama Filho, fala sobre a atual situação da Educação no Brasil.

Relato de Pesquisa: Professora Rosa Torte fala sobre o Projeto “Apostando no Futuro”: Estudo Avaliativo/2015

Em entrevista à revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Professora Rosa Torte, Doutora em Educação pela Universidade do Minho, fala sobre o Estudo Avaliativo do Projeto Apostando no Futuro.