Avaliação Nacional da Alfabetização será aplicada a 2,5 milhões de estudantes

Fonte: Portal Brasil, com informações do Inep

As provas, aplicadas nas próprias escolas entre 14 e 25 de novembro, avaliam a proficiência dos estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental em leitura, escrita e matemática

A terceira edição da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA) deve envolver 2,5 milhões de alunos do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas brasileiras, em 2016.

A estimativa foi anunciada na segunda-feira (3), durante a abertura da capacitação dos coordenadores estaduais, que ocorre até esta terça-feira (4) no Rio de Janeiro.

As provas da ANA serão realizadas de 14 a 25 de novembro para avaliar a proficiência dos estudantes em leitura, escrita e matemática. Mais de 44 mil pessoas estarão envolvidas na aplicação, que ocorre nas próprias escolas onde os alunos cursam o ensino fundamental.

A capacitação dos 62 coordenadores estaduais de logística, representantes das secretarias estaduais de educação das 27 unidades federativas, prepara esses colaboradores para repassarem os processos para os sub-coordenadores estaduais e coordenadores de polo de aplicação.

Esses, por sua vez, capacitam os aplicadores. Todos passam ainda por um treinamento em plataforma de Ensino a Distância. O objetivo é preparar as equipes que lideram a realização da ANA em cada estado, reforçando a importância de coletar os dados de modo correto, padronizado e oportuno. Continue Lendo “Avaliação Nacional da Alfabetização será aplicada a 2,5 milhões de estudantes”

Anúncios

RUF – Ranking Universitário Folha em debate

Fonte: Folha de S. Paulo

Para Conselho de Educação, RUF é uma das principais avaliações do país

O RUF – Ranking Universitário Folha é um dos principais eventos avaliatórios do ensino superior do país, de acordo com Luiz Roberto Liza Curi, presidente da Câmara de Educação Superior do CNE (Conselho Nacional de Educação).

“Sobretudo porque é feito por uma instituição isenta em relação ao ordenamento da política educacional, e não por um agente do poder público ou ator do setor”, diz Curi, que foi presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) – de onde o RUF coleta boa parte dos dados usados na classificação.

Lançado nesta segunda (19), o RUF traz a avaliação das 195 universidades brasileiras e dos 40 cursos de maior demanda nacional oferecidos por universidades, faculdades e centros universitários, como medicina e design.

Pela primeira vez desde que o RUF foi criado, a USP perde a liderança na lista de universidades brasileiras – foi ultrapassada pela UFRJ– e também na de cursos– a nova líder é Unicamp. A USP afirmou, via assessoria de imprensa, que não vai se pronunciar sobre os resultados. Continue Lendo “RUF – Ranking Universitário Folha em debate”

Reitores conhecem detalhes sobre nova avaliação de estudantes

Fonte: Ministério da Educação

Cerca de 250 reitores de instituições de ensino superior e coordenadores de curso de graduação em medicina se reuniram nesta terça feira, 13, no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para conhecer detalhes sobre a Avaliação Nacional Seriada dos Estudantes de Medicina (Anasem). Previsto na Lei nº 12.871/2013, que instituiu o Programa Mais Médicos, o exame será aplicado pela primeira vez em 9 de novembro deste ano, inicialmente a estudantes do segundo ano dos cursos de medicina.

A presidente do Inep, Maria Inês Fini, destacou que o formato final da avaliação tem evoluções em relação à primeira proposta, instituída em 1º abril pelo Ministério da Educação. Ela explicou que a Anasem foi concebida, a princípio, como um instrumento único, integrado ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos no Exterior (Revalida). No entanto, MEC e o Inep decidiram rever essa decisão e, em 25 de agosto, publicaram portaria determinando que a Anasem seja um instrumento articulado ao Revalida, mas independente tanto nos objetivos quanto na aplicação e metodologia.

Maria Inês enfatizou ainda que os resultados da avaliação poderão servir de referencial de qualidade do ensino médico e se constituir em modalidade única ou complementar aos processos de seleção para residência médica. De acordo com a presidente do Inep, outra modificação importante é a determinação de que a responsabilidade pela inscrição na prova é das instituições de ensino superior. “Na primeira versão da portaria, cabia aos estudantes habilitados fazer esse procedimento. Porém, a participação na avaliação é um componente curricular obrigatório para a obtenção dos diplomas dos cursos de medicina”, disse.

Prova – A formação adequada dos estudantes de medicina é o foco da avaliação. Serão considerados os conhecimentos, as habilidades e as atitudes desenvolvidas durante a graduação, tendo como referência as diretrizes curriculares nacionais desses cursos. O Inep, responsável pela gestão da prova, constituirá o Comitê Técnico de Avaliação da Formação Médica.

As provas da primeira edição da Anasem serão realizadas das 13h às 19h (horário de Brasília) do dia 9 de novembro, nas próprias instituições onde o curso é oferecido. Serão 60 questões de múltipla escolha e três itens discursivos. As inscrições devem ser realizadas pelas instituições de 15 a 20 de setembro, no portal do Inep.

Governo vai criar novo exame de certificação de ensino médio

Fonte: O Globo

Avaliação acontecerá em junho, e não substitui o Enem, informou ministério

Brasília — O Ministério da Educação (MEC) anunciou nesta terça-feira a criação de um novo exame para fornecer a certificação de conclusão do ensino médio. Segundo o ministro Aloízio Mercadante, a avaliação, que será “mais leve” que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), atenderá, principalmente, a alunos do Ensino de Jovens e Adultos (EJA). A prova, que não terá validade para o ingresso em universidades públicos, acontecerá em junho, mas a data exata ainda não foi divulgada.

— Esse exame vai motivar muito os alunos do EJA, será um exame mais adequado para eles. O Enem é muito pesado para quem está apenas se certificando— afirmou o ministro.

Mercadante deixou claro que o Enem, principal porta de entrada no ensino superior do país, continuará sendo realizado anualmente. Como se sabe, o Enem é aplicado durante dois dias, durante os quais os estudantes têm que resolver 180 questões de múltipla escolha e fazer uma redação. As datas da prova deste ano ainda não foram divulgadas.

Ao realizar o Enem, os estudantes buscam a certificação da conclusão do ensino médio, mas, principalmente, vagas em universidades públicas. O novo exame oferecerá somente a certificação.

Evasão do ensino médio

O anúncio foi feito durante uma coletiva de imprensa na qual o ministério divulgou dados do Censo da Educação Básica de 2015. Também no evento, o governo informou que vai lançar, no início de abril, um programa de busca ativa por 1,6 milhão de adolescentes entre 15 e 17 anos que deixaram a escola. De acordo com Aloizio Mercadante, a proposta é formar uma força tarefa com os governos estaduais para localizar esses jovens e incentivá-los a voltar às salas de aula. O projeto incluiria ainda equipes de saúde da família e assistência social.

Avaliações devem incentivar qualidade da educação, diz novo presidente do Inep

Fonte: Agência Brasil

Luiz Roberto Curi é o novo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Ele recebeu o convite do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, na última quinta-feira (17). “Eu não me candidatei, fui surpreendido pelo convite, é uma honra muito grande”, conta em entrevista à Agência Brasil.

A nomeação de Curi para o cargo foi publicada quarta-feira (16) na mesma edição extra do Diário Oficial da União que trazia a nomeação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil. Até ser nomeado, Curi era integrante do Conselho Nacional de Educação (CNE).

Para o novo presidente, o Inep, que entre outras funções é responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é a autarquia “que garante a efetividade das políticas públicas educacionais”. Ligado ao Ministério da Educação (MEC), o instituto promove estudos, pesquisas e avaliações do sistema educacional brasileiro. Além do Enem, cuida de avaliações como a Prova Brasil. Também produz os censos Escolar e da Educação Superior.

Curi vê as avaliações como uma forma de melhorar a qualidade da educação. “As avaliações não devem apenas aferir a qualidade, mas incentivá-la. São instrumentos relevantes para a qualificação dos atores [que dela participam]”, defende, acrescentando que elas devem servir para aproximar cada vez mais o ensino público e particular dos interesses da sociedade.

Curi assume o Inep em substituição a Franciso Soares, que pediu demissão. “Soares é meu amigo de muitos anos, excelente intelectual, fez um bom trabalho”, diz.

O ex-integrante do CNE já compôs também o Conselho Superior da Unicamp) e presidiu o Conselho do Patrimônio Artístico, Arquitetônico e Cultural de Campinas. No Ministério da Educação, foi diretor-geral de Políticas de Educação Superior entre 1997 e 2002. Teve passagem ainda pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), ambos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Abaixo-assinado

Antes da nomeação, funcionários do Inep fizeram um abaixo-assinado, que contou com mais de 100 assinaturas para pedir que o diretor de Avaliação e Educação Básica da autarquia, Alexandre André dos Santos, fosse nomeado presidente. A justificativa, de acordo com publicação no Facebook de Santos, era “levar um servidor à direção dos trabalhos do Inep”.

Na rede social, Santos agradeceu e disse que o momento é de “reiterar o apoio às diretrizes governamentais e defender a legalidade democrática. Ao lado disso, é também imprescindível reconhecer o protagonismo dos servidores e valorizar o diálogo com a sociedade em geral e com a comunidade educacional em especial”.

Mais de 551 mil estudantes fazem provas do Enade

Fonte: UOL Educação

Domingo, 22 de novembro

Mais de 551 mil estudantes de educação superior, matriculados em 1.760 instituições, devem fazer hoje as provas do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), segundo informações do Ministério da Educação.

As provas, com quatro horas de duração, terão início às 13 horas. Os portões serão abertos às 12 horas. O participante terá permissão para deixar a sala com o caderno de questões somente três horas após o início do exame.

O Enade foi criado em 2004 e integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). O objetivo é aferir o rendimento dos estudantes dos cursos de graduação em relação ao conteúdo programático, suas habilidades e competências, de acordo com o ministério.

Mecanismo ajuda a avaliar impacto de soluções educacionais

Fonte: CM News

Uma das grandes dificuldades enfrentada por negócios de impacto social em educação é colher evidências sobre o efeito do seu trabalho. Como saber se as soluções propostas apresentam resultados efetivos em redes, escolas, educadores e até mesmo nos estudantes? Para auxiliar empreendedores e investidores, o Inspirare, em parceria com o Plano CDE e a Move Social, desenvolveu um material que traz orientações e sugestões que apoiam quem pretende dar o primeiro passo na mensuração dos resultados.

Disponível na plataforma Apreender, que reúne referências e recursos capazes de apoiar os empreendedores em diferentes etapas do negócio, o mecanismo foi lançado hoje (13), durante o Seminário Social Good Brasil 2015: Crowd2crowd  Inovação De Muitos Para Muitos, em Florianópolis (SC).

A partir da realização de workshops com negócios de impacto social e da revisão de avaliações nacionais e internacionais em educação, foi criado um conjunto de referências para auxiliar na avaliação do impacto de soluções educacionais na aprendizagem, que consideram as dimensões: desenvolvimento integral, engajamento, práticas pedagógicas e gestão.

Ao selecionar cada dimensão, são encontradas explicações conceituais, sugestões de indicadores, perguntas avaliativas e escalas. Também é possível consultar as referências que inspiraram os questionários, incluindo fontes como INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Move Social, Plano CDE, PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), OCDE, entre outras.

O material tem o objetivo de apoiar empreendedores e investidores no desafio de levantar evidências do impacto de soluções educacionais. Especialmente para os negócios de impacto social, acredito que as orientações, o cardápio de indicadores e de questões sugeridas no material podem impulsionar um movimento interessante e necessário no setor, afirma Ana Flávia Castro, gestora do Programa Iniciativas Empreendedoras do Instituto Inspirare.

Não adianta fazer algo sem medir se aquele serviço ou produto está fazendo a diferença e impactando na vida das pessoas.

Se um empreendedor desenvolveu um aplicativo para ajudar no processo de ensino-aprendizagem de português ou matemática, por exemplo, ao consultar o material ele consegue encontrar indicadores específicos para obter informações mais qualificadas sobre o impacto do uso de tecnologias em estratégias e atividades pedagógicas. O mecanismo já foi testado pelo Catraca Livre para avaliar o impacto da notícia em leitores que acessam o site, considerando a dimensão cultural que está presente em alguns dos indicadores.

Trata-se de entender as transformações que essas soluções geram nos seus usuários finais, na escola, em redes de ensino, além de ser um mecanismo para apoiar o desenvolvimento de estratégias e a tomada de decisão, explica Castro.

De acordo com um mapeamento realizado pela ANDE (Aspen Network of Development Entrepreneurs), em parceria com LGT VP, Quintessa Partners e Universidade de St. Gallen, que ouviu investidores nacionais e internacionais, o impacto social é um dos principais critérios considerados na seleção de investimentos em negócios de impacto no Brasil.

Para Kim Machlup, sócia da MOV Investimentos, a mensuração é importante para que investidores possam avaliar o impacto efetivo gerado por uma iniciativa. Não adianta fazer algo sem medir se aquele serviço ou produto está fazendo a diferença e impactando na vida das pessoas, afirma.

O material para auxiliar na avaliação do impacto social de negócios em educação pode ser acessado em http://apreender.org.br/indicadores-de-impacto. Além do conjunto de referências, os empreendedores também encontram passos que ajudam a estruturar a sua avaliação, como o alinhamento inicial, foco, desenho, coleta de dados, análise e comunicação dos resultados. Todo o material é aberto, permitindo ser aprimorado ou complementado por qualquer interessado.