X Conversa com o autor “Multiculturalismo e formação de professores: dimensões, possibilidades e desafios na contemporaneidade”

 

O multiculturalismo é aqui entendido como um conjunto de respostas à diversidade cultural e desafio a preconceitos, no campo educacional. Defende e desenvolve três argumentos centrais, a saber: o multiculturalismo não deve ser tratado como um adendo ao currículo ou perspectiva reduzida a projetos extracurriculares; é relevante considerar modos pelos quais a construção curricular poderia articular a perspectiva multicultural aos diferentes campos de saber e disciplinas que constituem o currículo de formação de professores; é, a partir da visão de articulação do currículo e da pesquisa, concebida pelo olhar do multiculturalismo, que acreditamos que a formação inicial e continuada de professores pode ser incrementada, em uma visão transformadora.

Anúncios

Lançamento da Ensaio 100 – Fundação Cesgranrio

Ensaio: avaliação e políticas Públicas em Educação

Educação e Pesquisa

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362018000300505&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

 

image2

No dia 21 de agosto de 2018 foi lançada a revista Ensaio de número 100.

A revista Ensaio, especializada na divulgação de pesquisas e estudos
no âmbito educacional, publicou agora em agosto a edição especial de
número 100. São 30 artigos que abordam evasão escolar, formação de
docentes, violência nas escolas, gestão universitária entre outros
temas sobre a realidade educacional.
Além do material produzido pelos colaboradores brasileiros, foram
publicados artigos de especialistas de Moçambique, Portugal, Equador,
Chile e Espanha. Um artigo de coautoria entre Estados Unidos e
Cazaquistão.
A revista Ensaio é publicada pela Fundação Cesgranrio desde 1993.
São quatro edições por ano com tiragem de 1.500 exemplares cada. A
publicação é gratuita e distribuída em universidades públicas e
particulares de todo o Brasil.

Em junho do ano passado, a Ensaio recebeu pela Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (Capes) a classificação
A1 na área de Educação, classificação correspondente ao quadriênio 2013-2016. O A1
é o mais alto conceito de qualificação atribuído a periódicos
científicos brasileiros, apenas 4% das revistas da área de Educação foram qualificadas neste estrato.

O lançamento oficial da revista foi na Presidência da Fundação Cesgranrio e contou com a presença de autoridades, reitores, professores de Programas de Pós-Graduação das Universidades do Rio de Janeiro, pesquisadores, alunos e funcionários da instituição.

Para acessar a revista clique em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0104-403620180003&lng=en&nrm=iso

 

2.IMG_6220
Equipe Ensaio

 

Lançamento: Ensaio 100

É com um imenso prazer que apresentamos a centésima edição da revista Ensaio. Esta é uma edição especial comemorativa, que contempla 30 artigos de autores nacionais e internacionais.

image2

Todos os artigos já se encontram disponíveis na página da Ensaio no SciELO.

Acesse:  http://www.scielo.br/ensaio

 

Ensaio 99 disponível no SciELO

foto 99

A revista Ensaio 99, A1 na área da Educação e Ensino, já está disponível no site do Scielo.

Neste número publicamos 10 artigos – sete em português, dois em inglês e um em espanhol -, e um editorial em português.

São contribuições de pesquisadores nacionais e internacionais que discutem questões de políticas públicas em educação no Brasil,  em Portugal e na América Latina.

Confira a Ensaio online em http://scielo.br/ensaio e leia todos os artigos abaixo na íntegra.

editorial

·  Diversidade e controle: dilemas da avaliação e do currículo?
Ana Ivenicki

artigos

·  A influência do género nas salas de aulas de ciências: um estudo com docentes e estudantes de 9º ano
Margarida Oliveira,  Pedro ReisLuís Tinoca

·  Festival de professores como uma forma orientada para a prática de aperfeiçoamento das habilidades dos professores
Elena E. Merzon,  Yury V. SenkoElena V. Salimullina

·  “O que é o bom resultado?” Indagando o sentido da avaliação e suas articulações curriculares
Rita de Cássia Prazeres FrangellaJuliana Camila Barbosa Mendes

·  Diagnósticos da escolarização básica: um confronto de perspectivas
Alceu Ravanello Ferraro

·  Desenho e construção de um instrumento de avaliação da competição matemática: aplicabilidade prática de um julgamento de especialistas
Ramón García Perales

·  O direito à diversidade na via da interculturalidade no currículo escolar
Ana Maria EyngGlaucio Luiz Mota, Mônica Luiza Simião Pinto e Cleumir Sehn

·  As redes da Educação Integral no Distrito Federal sob o prisma da Gestão Escolar
Ivonete Ferreira de Sousa, Ranilce Guimarães-Iosif e Sinara Pollom Zardo

·  O papel dos testes padronizados na política educacional para o ensino básico nos Estados Unidos
Remo Moreira Brito Bastos

·  Políticas Públicas em Educação Superior a Distância – Um estudo sobre a experiência do Consórcio Cederj
Georgia de Souza Assumpção, Alexandre de Carvalho Castro e Álvaro Chrispino

·  Formação do empreendedor social e a educação formal e não formal: um estudo a partir de narrativas de história de vida
Lucimar da Silva Itelvino, Priscila Rezende da Costa, Maria da Glória GohnClaudio Ramacciotti

Acesse a Ensaio online em http://scielo.br/ensaio

Ensaio convida: VIIIª Edição – Série Colóquios em Ensaio

 

convite e-mail

Thereza Penna Firme

IMG_8675 (002)thereza

Foto: Cláudio Pompeu – Fundação Cesgranrio

 

Professora Fátima Cunha

IMG_7085 fatima1

Foto: Cláudio Pompeu – Fundação Cesgranrio

PRESS RELEASE | Bases normativas e condições político-institucionais da gestão democrática em sistemas municipais de ensino do estado do Piauí

logomarca Ensaio

 

 

 

 

Raimunda Maria da Cunha Ribeiro
Doutora em Educação e professora da
Universidade Estadual do Piauí,
Corrente, PI, Brasil

Elton Luiz Nardi
Doutor em Educação e professor do
Programa de Pós-Graduação em Educação
da Universidade do Oeste de Santa Catarina,
Joaçaba, SC. Brasil

 

Pesquisadores da Rede Mapa, da Universidade Estadual do Piauí e Universidade do Oeste de Santa Catarina, evidenciam que a maior parte dos municípios piauienses não conta com sistema de ensino e que, entre os que o institucionalizaram, o quadro geral de princípios e espaços e mecanismos de participação é díspar. Segundo artigo “Bases normativas e condições político-institucionais da gestão democrática em sistemas municipais de ensino do estado do Piauí” publicado no periódico Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação (v. 26, n. 98), há diferenças acentuadas entre as mesorregiões geográficas do estado. Para os pesquisadores, o que está em causa é a disposição para fazer avançar as condições de reforço à participação direta e ativa do cidadão na política e gestão da educação pública (RIBEIRO; NARDI, 2018).

Pesquisadores
Reunião de trabalho de pesquisadores da Rede Mapa do Piauí e de Santa Catarina

Consoante o Parecer CEE/PI nº 54, de 03 de dezembro de 2004, o Conselho Estadual dá indicativos acerca do processo de implementação dos sistemas municipais e respectivos conselhos de educação. De acordo com o levantamento de elementos gerais que caracterizam a institucionalização dos sistemas municipais de ensino no Piauí, dos atuais 224 municípios, somente 38,84% contam com sistemas considerados autônomos pelo CEE/PI.

Os pesquisadores constataram que a presença dos temas da participação e da autonomia, no conjunto das bases normativas dos recentes sistemas municipais de ensino piauienses, indicia esforços por configurações convergentes com o princípio constitucional da gestão democrática do ensino público. Todavia, conforme evidenciam os dados, quando examinados os subconjuntos municipais representados por cada uma das quatro mesorregiões, esses mesmos temas são marcados por contrastes, seja em termos de fixação de princípios que os mobilizam e de garantia de espaços ou mecanismos institucionalizados para promovê-los, seja em termos de alinhamento entre princípios firmados e condições de materialização (ARROYO, 2008; GRACINDO, 2007).

De acordo com os pesquisadores, o cotidiano da prática educativa constitui forte aliado do aperfeiçoamento das diretrizes e das condições afeitas à perspectiva da gestão democrática no âmbito dos sistemas de ensino (RIBEIRO; NARDI, 2018; SOUZA; FARIA, 2004).

Referência

ARROYO, M. G. Gestão democrática: recuperar sua radicalidade política. In: CORREA, B. C.; GARCIA, T. O. (Org.). Políticas educacionais e organização do trabalho na escola. São Paulo: Xamã, 2008. p. 39-56.

GRACINDO, R. V. Gestão democrática nos sistemas e na escola. Brasília, DF: UnB, 2007.

Para ler os artigos, acesse

RIBEIRO, R. M. C. and NARDI, E. L. Bases normativas e condições político-institucionais da gestão democrática em sistemas municipais de ensino do estado do Piauí. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. 2018, vol.26, n.98, pp.7-31. ISSN 0104-4036. [viewed 6 March 2018]. DOI: 10.1590/s0104-40362018002601149. Available from: http://ref.scielo.org/6fxx4w

SOUZA, D. B. and FARIA, L. C. M. Reforma do estado, descentralização e municipalização do ensino no Brasil: a gestão política dos sistemas públicos de ensino pós-LDB 9.394/96. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. 2004, vol.12, n.45, pp.925-944. ISSN 0104-4036. [viewed 6 March 2018]. DOI: 10.1590/S0104-40362004000400002. Available from: http://ref.scielo.org/qzqk8h.

acesse a Ensaio no Scielo:

Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação – ENSAIO: www.scielo.br/ensaio

 

Fonte:

RIBEIRO, R. M .C. and NARDI, E. L. Quais as bases normativas e as condições político-institucionais da gestão democrática em sistemas municipais de ensino? [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2018 [viewed 15 March 2018]. Available from:
http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/03/14/quais-as-bases-normativas-e-as-condicoes-politico-institucionais-da-gestao-democratica-em-sistemas-municipais-de-ensino/