Paixão de Cristo será encenada no Teatro Cesgranrio e na Lapa

Print

A mais linda história da humanidade será contada no Teatro Cesgranrio, de 27 a 29 de março, no espetáculo “A Paixão de Cristo”. Com um elenco de 36 atores/cantores, a peça vai mesclar músicas de cunho religioso e outras conhecidas de musicais famosos da Broadway, como “Godspell” e “Jesus Cristo Superstar”.

20180327_214842

Jesus Cristo será interpretado por Nelson Gaia, que atuou nas peças “Sim, mas não prometo” e tocou percussão na peça “Omi – do leito ao mar”. Já quem assume o papel do diabo é o ator Jack Berraquero, que atua na novela “Deus Salve o Rei” e também participou da série “Verdades Secretas”. Tatty Caldeira, atriz e cantora, que atua no musical “O Homem no Espelho”, empresta pelo quarto ano seguido sua imagem e voz a Maria Madalena.

Com produção geral de Carlos Alberto Serpa e figurinos de Beth Serpa, a encenação é dirigida por Márcio Fonseca. A versão brasileira é assinada por Alexandre Amorim.

 

Serviço:

A Paixão de Cristo
Datas: de 27 a 29 de março
Horário: de terça a quinta, às 20h
Local: Teatro Cesgranrio – rua Santa Alexandrina, 1011, Rio Comprido
Tel.: (21) 2103-9682
Ingressos: R$40,00 / R$20,00
Classificação etária: livre
Duração: 70 minutos
Clique aqui para comprar seu ingresso online

 

Encenação na Lapa, na Sexta-feira Santa

Encenado tradicionalmente na Lapa, o “Auto da Paixão de Cristo” já é um evento muito esperado pelos cariocas. Nesse ano, a montagem será realizada no dia 30 de março, com início previsto para 18h30, após a procissão do Senhor Morto.

O espetáculo, gratuito, é promovido pela Associação Cultural da Arquidiocese do Rio de Janeiro, com patrocínio e produção da Fundação Cesgranrio.

“A iniciativa tem o objetivo de oferecer aos cariocas um momento de devoção e aproximação da fé cristã. Com este auto, convidamos os moradores do Rio de Janeiro a recordar e viver o real significado da vida de Cristo”, diz Carlos Alberto Serpa, presidente da Fundação Cesgranrio.

Serviço:

Endereço: Arcos da Lapa
Data e horário: 30 de março, às 18h30
Ingresso: Entrada gratuita

FONTE: http://cultural.cesgranrio.org.br/paixao-de-cristo-sera-encenada-no-teatro-cesgranrio-e-na-lapa/ 

 

Anúncios

Cesgranrio traz o doce sabor da Páscoa para o Rio Comprido – 2018

EXPOSIÇÃO DE 24/03 A 15/04/18

DE QUINTA A DOMINGO, DAS 10h ÀS 17h

O evento não abrirá na sexta-feira santa, dia 30/03/2018

 

IMG_8161

Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira

O clima de Páscoa vai tomar conta do Espaço Cultural Cesgranrio. O prédio anexo da instituição recebe a exposição “Cadê o Chocolate?” Num evento gratuito, o público vai desfrutar de uma grande brincadeira, que ficará em cartaz até o dia 15 de abril.

IMG_8166
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira
IMG_8169
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira
IMG_8171
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira
IMG_8173
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira

As atrações reúnem vários cenários idílicos, como a Casa do Chocolate; Escolinha da Páscoa; a Casa da Alice, com direito a chá com a própria Alice e com o Chapeleiro Maluco; e a toca do Pernalonga. Cada um destes locais foi planejado para criar uma experiência única e envolvente. Além disso, crianças, jovens e adultos vão aproveitar uma série de brincadeiras preparadas especialmente para a data. O evento é recomendado para pessoas de todas as idades.

Teatro

pascoa-2018-fudacao-cesgranrio-2

A programação se completa com a peça de teatro “Cadê o Chocolate?”. A fábula mostra a importância do amor, da fé e da esperança nesta época do ano ao narrar a história dos coelhos Zeca e Tina, que precisam salvar a Páscoa, já que o pai deles, o Coelho da Páscoa, resolve tirar féria e surfar no Havaí. Além de terem que preparar os ovos, eles ainda precisam enfrentar a Bruxa Margot e seu fiel Corvo, que querem ficar com todo o chocolate para eles. No final, tudo deu certo porque eles receberam a ajuda da Fada Florentina. As vagas para o teatro são limitadas, por isso as senhas são entregues na fila, por ordem de chegada.

Segundo o professor Carlos Alberto Serpa, presidente da Cesgranrio, a peça vai recordar os valores da Páscoa cristã:

– Essa fábula vai mostrar de forma divertida e lúdica que é preciso haver diálogo, entendimento e, principalmente, perdão entre as pessoas. Vamos lembrar que a morte e ressurreição de Jesus Cristo, assim como seus ensinamentos, devem sempre nos orientar, para experimentarmos a renovação de nossas próprias vidas.

 

informações

Endereço: Rua Santa Alexandrina, 1122 B – Rio Comprido – Rio de Janeiro / Fundação Cesgranrio, prédio anexo ao campus (antigo Le Buffet)

Data: 24 de março a 15 de abril de 2018

Exposição
Quinta a domingo, das 10h às 17h

Teatro
Teatro Beth Serpa
Peça: “Cadê o Chocolate?”
Quinta a domingo, às 11h, 14h e 16h – (entrada mediante retirada de senha)
capacidade: 80 lugares

A entrada no teatro não está condicionada à entrada na exposição. Haverá distribuição de senhas no local para a entrada no teatro. Teatro sujeito a lotação.

Entrada franca (doação opcional de 1 kg de alimento não perecível)
Fraldário no local

Obs.: O evento não abrirá na sexta-feira santa, dia 30/03/2018

Informações: 2103-9600

Como chegar:

Vindo da Zona Norte: Seguir pela Av. Paulo de Frontin, sentido Túnel Rebouças. Após o Hospital dos Bombeiros, manter a direita. Seguindo a placa para o Le Buffet, passar por cima do túnel para acessar a Rua Santa Alexandrina.

Vindo da Zona Sul: Ao sair do Túnel Rebouças, acessar a Av. Paulo de Frontin, à direita. Fazer o primeiro retorno, em frente ao Hospital dos Bombeiros e manter a direita. Seguindo a placa para o Le Buffet, passar por cima do túnel para acessar a Rua Santa Alexandrina.

FONTE: http://cultural.cesgranrio.org.br/cesgranrio-traz-o-doce-sabor-da-pascoa-para-o-rio-comprido-2018/ 

 

Educação, formação e pesquisa

A revista Ensaio 98, A1 nas áreas da Educação e do Ensino, já está disponível no site do SciELO.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0104-403620180001&lng=pt&nrm=iso

Processed with VSCO with a5 preset


Neste número publicamos 9 artigos – seis em português, um em espanhol e dois em inglês -, e uma página aberta em português. 
São contribuições de pesquisadores nacionais e internacionais que discutem questões de políticas públicas em educação no Brasil,  em Portugal e na América Latina.

Confira abaixo os títulos de cada artigo com seus respectivos autores. Não deixe de acessar o link do SciELO para ler os artigos na íntegra!

Editorial

• Formar e pesquisar para quê?
Érika Dias

Artigos

• Bases normativas e condições político-institucionais da gestão democrática em sistemas municipais de ensino do estado do Piauí
Raimunda Maria da Cunha Ribeiro e Elton Luiz Nardi

• Formação de professores qualificados: enxugando gelo?
Bruno Teles Nunes

• Formação docente no contexto brasileiro das Instituições Federais de Educação Superior
Ailton Paulo de Oliveira Jr., Martha Prata-Linhares e Acir Karwoski

• Percepções dos educadores sobre a inclusão na educação pré-escolar: o papel da experiência e das habilitações
Paulo César Azevedo Dias e Irene Maria Dias Cadime

• A “realidade” de cada escola e a recepção de políticas educacionais
Rodrigo Rosistolato, Ana Pires do Prado e Leane Martins

• Iniciação Científica Júnior: desafios à materialização de um círculo virtuoso
Adriano de Oliveira e Lucídio Bianchetti

• Percepção dos professores sobre a integração das TIC nas práticas de ensino sobre marcos regulatórios para a profissão docente no Chile
Marcelo Herrera, Daniela Fernández e Roberto Seguel

• Educação do Campo no Plano Nacional de Educação: tensões entre a garantia e a negação do direito à educação
Marilene Santos

• Práticas Educacionais Abertas: uma maneira de aprender além do conhecimento de acesso livre
Andrés Chiappe e Silvia Irene Adame

Página Aberta

• Neurociências e formação de professores: reflexos na educação e economia
Diego de Carvalho e Cyrus Antônio Villas Boas

 

acesse a página da ensaio no scielo
e leia os artigos na íntegra:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0104-403620180001&lng=pt&nrm=iso

Formação docente e ensino de “Política Educacional” em instituições de educação superior do Rio de Janeiro

IXconvautor6
Foto: Cláudio Pompeu (Gabinete de Imprensa da Fundação Cesgranrio)

Sala cheia para mais um evento promovido pela Fundação Cesgranrio. A revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação realizou a IX edição do evento “Conversa com o autor“, no dia 25 de outubro, na Sala do Conselho da Fundação Cesgranrio, campus Rio Comprido.

Na ocasião, a Professora Laélia Portela Moreira (UNESA) conversou com o público presente  composto em sua maioria por mestrandos, doutorandos, professores universitários e funcionários da Fundação Cesgranrio – , sobre o seu artigo publicado recentemente na Ensaio nº 97.

IXconvautor3
Professora  Laélia Portela Moreira (UNESA), autora do artigo. Foto: Cláudio Pompeu (Gabinete de imprensa da Fundação Cesgranrio) / Foto: Cláudio Pompeu (Gabinete de Imprensa da Fundação Cesgranrio)

No evento também foi feito o lançamento do nº 97 da revista Ensaio, publicada no Scielo e em outros indexadores nacionais e estrangeiros: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0104-403620170004&lng=pt&nrm=iso 

O debate contou com a mediação da Professora Maria Celi Chaves Vasconcelos (UERJ), do Conselho de Educação do Estado do Rio de Janeiro e membro do Conselho Editorial da revista Ensaio.

 

 

celi
Professora Maria Celi Chaves Vasconcelos (UERJ) / Foto: Cláudio Pompeu (Gabinete de Imprensa da Fundação Cesgranrio)

Da Fundação Cesgranrio, completou a mesa, a Professora Érika Dias,  representando a Professora Fátima Cunha, Editora da revista Ensaio.

IXconvautor5
Professora Laélia Portela Moreira (UNESA), Professora e Editora Adjunta da revista Ensaio Érika Dias e Professora Maria Celi Chaves Vasconcelos (UERJ). Foto: Cláudio Pompeu (Gabinete de Imprensa da Fundação Cesgranrio).   

O artigo em questão teve por objetivo analisar o ensino de “política educacional” a futuros educadores. Na sua apresentação, a autora analisou o conteúdo das ementas e a bibliografias desta disciplina, lecionada em seis universidades da região metropolitana do Rio de Janeiro, a fim de compreender o que as universidades entendem por política educacional e de que forma isto é ensinado aos futuros professores. Para a autora, o papel da disciplina, ao que parece, pelas ementas e bibliografia, é mais informativo que formativo. Trata-se de indicações do estado ou situação dos efeitos provocados pela existência de uma determinada política pública da educação, como se a prática docente nada tivesse com seu aprimoramento ou alteração. A Professora Laélia também inferiu com a sua pesquisa que o conteúdo da disciplina por vezes é muito otimista em relação ao que o aluno de Pedagogia vai de fato aprender e levar para a sala de aula. No momento do debate, as Professoras Fátima Cunha e Maria Celi chamaram a atenção para o fato de o ensino de “Política Educacional” ter relação direta com a formação de professores, tema que também foi debatido pela mesa e pelo público presente.

Para ler o artigo “Formação docente e ensino de política educacional em instituições de educação superior do Rio de Janeiro” acesse:

http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362017002500857 

 

 

Resultado do Enade é antecipado e revela que instituições federais superaram as particulares

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, nesta sexta-feira, 1º de setembro, em coletiva de imprensa, os resultados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) 2016. O exame é realizado para aferir o desempenho dos estudantes em relação a conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas ao longo do curso de graduação. No total, 195.757 inscritos fizeram a prova e 4,3 mil cursos foram avaliados.

Segundo a presidente do Inep, Maria Inês Fini, a instituição fez melhorias na forma de divulgação dos dados referentes a 2016 e, pela primeira vez, antecipou o resultado – que anteriormente só era tornado público após a realização do exame. “Mesmo sendo o maior Enade já realizado, tanto em número de cursos quanto de participantes, estamos divulgando os resultados antes do prazo previsto, o que demonstra a responsabilidade e o profissionalismo das equipes de logística e pedagogia do nosso órgão”, afirmou Maria Inês Fini.

Para Maria Inês, o desempenho dos estudantes precisa melhorar. A maior parte dos inscritos alcançou resultado mediano nos conceitos avaliados no exame. “Em relação ao conceito do exame, a maioria está em torno do conceito médio, regular. Isso é um indicador de que precisamos de um empenho e de um esforço muito maior para prover educação de qualidade”, finalizou.

c_interna1

Ainda sobre os dados revelados, os indicadores de qualidade da educação superior demonstraram que o desempenho das universidades federais foi melhor que o da rede privada, numa escala crescente de 1 a 5. As federais tiveram 43% das instituições com conceito 4 e 16% com o conceito 5. Enquanto isso, nas particulares, os percentuais foram, respectivamente de 19% e 3%.

Na ocasião, também foram anunciados outros dois indicadores: o conceito Enade e o indicador de diferença entre os desempenhos observado e esperado (IDD). São informações detalhadas a respeito da composição das provas, do desempenho e do perfil dos estudantes, da distribuição dos cursos no país, além de uma visão sobre o desempenho das instituições brasileiras no Enade.

Para o secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação, Henrique Sartori, os indicadores possibilitam que o MEC aplique as questões regulatórias, de acompanhamento e avaliação dos cursos e instituições que devem prezar por uma educação de qualidade em todo o país. “Se a nota é alta, consequentemente, o conceito vai crescer. Se a nota é baixa, ou há uma queda nesse desempenho, possivelmente você poderá ser atingido. E ao passo que isso ocorra, a Seres toma cuidado, chama a instituição para um ajuste e começa a aplicar medidas de supervisão, de for o caso”, explicou Sartori.

A partir de novembro, o Governo Federal deve divulgar outros dois índices que tomam a prova do Enade como base, que são o conceito preliminar do curso (CPC) e índice geral de cursos (IGC). Eles ainda estão em processamento e vão incluir, além do desempenho dos alunos, questões como corpo docente, infraestrutura, recursos didático-pedagógicos e ainda a avaliação dos cursos de pós-graduação de cada instituição junto à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

c_interna2

Foram avaliados os concluintes de cursos das áreas de agronomia, biomedicina, educação física, enfermagem, farmácia, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, serviço social e zootecnia. No grau de tecnólogo, o exame foi destinado a concluintes de agronegócio, estética e cosmética, gestão ambiental, gestão hospitalar e radiologia.

A prova é composta por 40 questões, divididas em duas partes: formação geral (FG) e componente específico (CE). A primeira tem 10 questões, sendo oito de múltipla escolha e duas discursivas, que contempla temas como sociodiversidade, biodiversidade, globalização, cidadania e problemas contemporâneos. Essas perguntas equivalem a 25% da nota do exame. A segunda visa aferir as competências, habilidades e o domínio de conhecimentos necessários para o exercício da profissão e é composta por 30 questões, sendo 27 de múltipla escolha e três discursivas, o que equivale a 75% da nota.

Exame – O Enade, realizado pelo Inep, é um dos componentes curriculares obrigatórios dos cursos de graduação. Fazem parte do Enade a prova para avaliação individual de desempenho e o questionário do estudante. Devem ser inscritos os estudantes de graduação ingressantes e concluintes dos cursos avaliados na edição, bem como estudantes irregulares. No histórico escolar, ficará registrada a situação de regularidade em relação à obrigação de participação do Enade.

Números – Nessa edição, o total de estudantes concluintes regulares e que foram inscritos totalizou 216.064, sendo que 195.757 realizaram a prova. O Enade foi aplicado em todas as unidades da Federação, distribuído em 942 municípios, com 1.009 locais de prova e 7.388 de salas. No total, foram avaliados 4.300 cursos, com 997 instituições de ensino superior e as áreas de avaliação somaram 18.

Perfil – O questionário do estudante é um dos instrumentos de coleta de informações do Enade, de caráter obrigatório, que tem por objetivo subsidiar a construção do perfil socioeconômico do estudante e obter a percepção quanto ao seu processo formativo. Com base no exame realizado no ano passado, entre os estudantes concluintes regulares 46,9% são jovens de até 25 anos e 54,6% vivem com os pais.

Em relação às características predominantes: 51,7% são da cor branca e 36,1% são pardos; 74,4% são solteiros; 47,6% têm renda familiar mensal de 1,5 a 4,5 salários mínimos. Em relação ao mercado de trabalho: 54,4% não estão trabalhando e 42,8% dedicam de uma a três horas de estudos por semana. Em relação à bolsa de estudos e financiamentos, 36,5% do total receberam financiamento do Programa Universidade para Todos (ProUni) ou Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Dos estudantes que receberam financiamento do ProUni ou Fies: 62,6% têm renda familiar de até três salários mínimos; 61,5% são os primeiros da família com acesso à educação superior e 29,6% ingressaram por meio de políticas afirmativas.

O resultado completo do Enade 2016 está disponível na página eletrônica do Inep.

FONTE: Ministério da Educação
http://portal.mec.gov.br/component/content/index.php?option=com_content&view=article&id=54031:inep-antecipa-resultado-do-enade-e-desempenho-das-instituicoes-federais-supera-o-das-particulares&catid=212&Itemid=86