Paixão de Cristo será encenada no Teatro Cesgranrio e na Lapa

Print

A mais linda história da humanidade será contada no Teatro Cesgranrio, de 27 a 29 de março, no espetáculo “A Paixão de Cristo”. Com um elenco de 36 atores/cantores, a peça vai mesclar músicas de cunho religioso e outras conhecidas de musicais famosos da Broadway, como “Godspell” e “Jesus Cristo Superstar”.

20180327_214842

Jesus Cristo será interpretado por Nelson Gaia, que atuou nas peças “Sim, mas não prometo” e tocou percussão na peça “Omi – do leito ao mar”. Já quem assume o papel do diabo é o ator Jack Berraquero, que atua na novela “Deus Salve o Rei” e também participou da série “Verdades Secretas”. Tatty Caldeira, atriz e cantora, que atua no musical “O Homem no Espelho”, empresta pelo quarto ano seguido sua imagem e voz a Maria Madalena.

Com produção geral de Carlos Alberto Serpa e figurinos de Beth Serpa, a encenação é dirigida por Márcio Fonseca. A versão brasileira é assinada por Alexandre Amorim.

 

Serviço:

A Paixão de Cristo
Datas: de 27 a 29 de março
Horário: de terça a quinta, às 20h
Local: Teatro Cesgranrio – rua Santa Alexandrina, 1011, Rio Comprido
Tel.: (21) 2103-9682
Ingressos: R$40,00 / R$20,00
Classificação etária: livre
Duração: 70 minutos
Clique aqui para comprar seu ingresso online

 

Encenação na Lapa, na Sexta-feira Santa

Encenado tradicionalmente na Lapa, o “Auto da Paixão de Cristo” já é um evento muito esperado pelos cariocas. Nesse ano, a montagem será realizada no dia 30 de março, com início previsto para 18h30, após a procissão do Senhor Morto.

O espetáculo, gratuito, é promovido pela Associação Cultural da Arquidiocese do Rio de Janeiro, com patrocínio e produção da Fundação Cesgranrio.

“A iniciativa tem o objetivo de oferecer aos cariocas um momento de devoção e aproximação da fé cristã. Com este auto, convidamos os moradores do Rio de Janeiro a recordar e viver o real significado da vida de Cristo”, diz Carlos Alberto Serpa, presidente da Fundação Cesgranrio.

Serviço:

Endereço: Arcos da Lapa
Data e horário: 30 de março, às 18h30
Ingresso: Entrada gratuita

FONTE: http://cultural.cesgranrio.org.br/paixao-de-cristo-sera-encenada-no-teatro-cesgranrio-e-na-lapa/ 

 

Anúncios

Cesgranrio traz o doce sabor da Páscoa para o Rio Comprido – 2018

EXPOSIÇÃO DE 24/03 A 15/04/18

DE QUINTA A DOMINGO, DAS 10h ÀS 17h

O evento não abrirá na sexta-feira santa, dia 30/03/2018

 

IMG_8161

Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira

O clima de Páscoa vai tomar conta do Espaço Cultural Cesgranrio. O prédio anexo da instituição recebe a exposição “Cadê o Chocolate?” Num evento gratuito, o público vai desfrutar de uma grande brincadeira, que ficará em cartaz até o dia 15 de abril.

IMG_8166
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira
IMG_8169
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira
IMG_8171
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira
IMG_8173
Exposição: “Cadê o Chocolate?” / foto: Luíza Teixeira

As atrações reúnem vários cenários idílicos, como a Casa do Chocolate; Escolinha da Páscoa; a Casa da Alice, com direito a chá com a própria Alice e com o Chapeleiro Maluco; e a toca do Pernalonga. Cada um destes locais foi planejado para criar uma experiência única e envolvente. Além disso, crianças, jovens e adultos vão aproveitar uma série de brincadeiras preparadas especialmente para a data. O evento é recomendado para pessoas de todas as idades.

Teatro

pascoa-2018-fudacao-cesgranrio-2

A programação se completa com a peça de teatro “Cadê o Chocolate?”. A fábula mostra a importância do amor, da fé e da esperança nesta época do ano ao narrar a história dos coelhos Zeca e Tina, que precisam salvar a Páscoa, já que o pai deles, o Coelho da Páscoa, resolve tirar féria e surfar no Havaí. Além de terem que preparar os ovos, eles ainda precisam enfrentar a Bruxa Margot e seu fiel Corvo, que querem ficar com todo o chocolate para eles. No final, tudo deu certo porque eles receberam a ajuda da Fada Florentina. As vagas para o teatro são limitadas, por isso as senhas são entregues na fila, por ordem de chegada.

Segundo o professor Carlos Alberto Serpa, presidente da Cesgranrio, a peça vai recordar os valores da Páscoa cristã:

– Essa fábula vai mostrar de forma divertida e lúdica que é preciso haver diálogo, entendimento e, principalmente, perdão entre as pessoas. Vamos lembrar que a morte e ressurreição de Jesus Cristo, assim como seus ensinamentos, devem sempre nos orientar, para experimentarmos a renovação de nossas próprias vidas.

 

informações

Endereço: Rua Santa Alexandrina, 1122 B – Rio Comprido – Rio de Janeiro / Fundação Cesgranrio, prédio anexo ao campus (antigo Le Buffet)

Data: 24 de março a 15 de abril de 2018

Exposição
Quinta a domingo, das 10h às 17h

Teatro
Teatro Beth Serpa
Peça: “Cadê o Chocolate?”
Quinta a domingo, às 11h, 14h e 16h – (entrada mediante retirada de senha)
capacidade: 80 lugares

A entrada no teatro não está condicionada à entrada na exposição. Haverá distribuição de senhas no local para a entrada no teatro. Teatro sujeito a lotação.

Entrada franca (doação opcional de 1 kg de alimento não perecível)
Fraldário no local

Obs.: O evento não abrirá na sexta-feira santa, dia 30/03/2018

Informações: 2103-9600

Como chegar:

Vindo da Zona Norte: Seguir pela Av. Paulo de Frontin, sentido Túnel Rebouças. Após o Hospital dos Bombeiros, manter a direita. Seguindo a placa para o Le Buffet, passar por cima do túnel para acessar a Rua Santa Alexandrina.

Vindo da Zona Sul: Ao sair do Túnel Rebouças, acessar a Av. Paulo de Frontin, à direita. Fazer o primeiro retorno, em frente ao Hospital dos Bombeiros e manter a direita. Seguindo a placa para o Le Buffet, passar por cima do túnel para acessar a Rua Santa Alexandrina.

FONTE: http://cultural.cesgranrio.org.br/cesgranrio-traz-o-doce-sabor-da-pascoa-para-o-rio-comprido-2018/ 

 

Somos todos índios

Orquestra Sinfônica Cesgranrio faz concerto em homenagem ao Dia Internacional dos Povos Indígenas

CESGRANRIO

A Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro, invoca as bênçãos dos pajés para o concerto que apresenta no domingo, dia 20 de agosto, às 11 horas, dentro da série Sala Orquestras Jovens. No palco, a Orquestra Sinfônica Cesgranrio, com regência de Eder Paolozzi e participação de Sofia Ceccato (flauta) e do índio Anuiá Amaru(flauta indígena), interpreta um repertório especial com obras de caráter indígena de Villa-Lobos e Beatriz Lockhart, além de Pássaro de Fogo, de Stravinsky.

Orquestra e maestro tocam, pela primeira vez no Brasil, a obra Masiá Mujú, da compositora uruguaia Beatriz Lockhart (1944-2015). Trata-se de um concerto para flauta e orquestra inspirado nas melodias da cultura indígena venezuelana estreado em 1987. A solista é a flautista Sofia Ceccato. O repertório também inclui a obra Uirapuru(1917), de Heitor Villa-Lobos, que retrata o ambiente da floresta e os seus habitantes: os índios. A terceira obra selecionada pelo maestro Paolozzi é a suíte Pássaro de Fogo, de Igor Stravinsky, em sua versão de 1919.

O concerto conta ainda com a participação do índio Anuiá Amaru, que executa obras de sua autoria em uma flauta construída por ele mesmo e conversa com o público acerca da música indígena.

O objetivo da apresentação é homenagear o Dia Internacional dos Povos Indígenas, comemorado em 9 de agosto.

Orquestra Sinfônica Cesgranrio

Sofia Ceccato, flauta
Anuiá Amaru, flauta indígena
Eder Paolozzi, regência

20 de agosto, domingo, às 11h

Sala Cecília Meireles (Largo da Lapa, 47, Centro – Rio de Janeiro. Tels.: 21 2332-9223 e 2332-9224)

Ingressos: R$ 20, com meia-entrada para estudantes e pessoas com mais de 60 anos, e R$ 2 para estudantes de música mediante apresentação da carteirinha

FONTE: Movimento.com
http://www.movimento.com/2017/08/somos-todos-indios/

Confira os espetáculos em cartaz no Teatro Cesgranrio em agosto

A programação do Teatro Cesgranrio em agosto está incrível. Ingressos a partir de R$ 15,00. Confira abaixo as peças em cartaz e divirta-se

1

Dias de Chuva

2

No monólogo Dias de chuva, livremente inspirado na obra do jornalista, dramaturgo e escritor brasileiro Caio Fernando de Abreu, o ator Rafael Canedo interpreta um homem isolado do mundo, enclausurado dentro de um quarto com quatro muros brancos, uma única janela e uma máquina de escrever a espera de alguém que nunca mais veio. A direção é assinada por Luis Felipe Perinei. As apresentações acontecem às quintas e sextas, às 20h30, até o dia 25 de agosto.

A Vida Passou por Aqui

3

A vida passou por aqui aborda a longeva amizade entre uma mulher e um homem de mundos sociais diferentes – Silvia, professora e artista plástica, que viveu grande parte da vida às voltas com as crises em seu casamento e um enorme sentimento de solidão, e Floriano, boy e faxineiro, de hábitos simples e inteligente por natureza, que sempre levou sua vida com leveza e bom humor. O elenco é formado por Cláudia Mauro e Édio Nunes, com direção de Alice Borges. Está em cartaz aos sábados, às 20h30, e domingos, às 19h, até 27 de agosto.

Orquestra Sinfônica Cesgranrio apresenta concerto em homenagem à cultura indígena

4

Orquestra Sinfônica Cesgranrio e o maestro Eder Paolozzi apresentam na Sala Cecília Meireles – pela primeira vez no Brasil – a obra Masiá Mujú, da compositora uruguaia Beatriz Lockhart. Trata-se de um concerto para flauta e orquestra inspirado nas melodias da cultura indígena venezuelana. A solista será a flautista Sofia Ceccato, que recentemente estreou a obra em Montevidéu. O repertório também inclui a obra “Uirapuru” (1917) de Heitor Villa-Lobos, que retrata o ambiente da floresta e os seus habitantes: os índios. A terceira obra selecionada pelo maestro Eder Paolozzi para este programa é a suíte do “Pássaro de Fogo”, de Igor Stravinsky, em sua versão de 1919.

O concerto contará ainda com a participação do índio Anuiá Amaru, que executará obras de sua autoria em uma flauta construída por ele mesmo e trará algumas explicações ao público acerca da música indígena.

Cesgranrio apresenta Mostras Competitivas em comemoração aos 100 anos do CEFET/RJ

5

A Fundação Cesgranrio, através de seu Centro Cultural, tem o prazer de tomar parte nas comemorações do centenário do CEFET/RJ e apresenta para os alunos e ex-alunos da instituição dois editais de intervenções artísticas.

As inscrições estão abertas de 26 de julho a 15 de setembro de 2017.

Feira literária da Serra Imperial – FLISI 2017

6

De 30 de agosto a 02 de setembro, o Museu Imperial recebe a 2° Edição da Festa Literária da Serra Imperial, a FLISI, idealizada pelo Instituto Oldemburg de Desenvolvimento, em parceria com a Fundação Cesgranrio.

Este ano a Festa percorrerá diversos espaços culturais da cidade como o Centro Cultural Raul de Leone, a Casa da Educação Visconde de Mauá e a Casa Stefan Zweig.

ESTES SÃO APENAS ALGUNS DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO CENTRO CULTURAL CESGRANRIO. CONHEÇA TODOS ELES CLICANDO ABAIXO:

http://cultural.cesgranrio.org.br/

Antonio Fagundes vai ser o grande homenageado do Prêmio Cesgranrio

antonio_fagundes_-_marcos_ramos

Antonio Fagundes vai ser o grande homenageado do Prêmio Cesgranrio de Teatro de 2017. A festa será em janeiro, no Golden Room do Copacabana Palace.

 

Por Cleo Guimarães

FONTE: O Globo
http://blogs.oglobo.globo.com/gente-boa/post/antonio-fagundes-vai-ser-o-grande-homenageado-do-premio-cesgranrio.html

O desafio do antiteatro no palco

05_FHA_ela
Ela. 
Carolina Pismel, Patrícia Elizardo e Elisabeth Monteiro atuam na peça.

Indicada aos prêmios Shell e Cesgranrio no primeiro semestre de 2017, ‘‘ELA’’ reestreia no Teatro Sesi trazendo a história de Clara e Isabel, que vivem um grande amor e fazem planos para as próximas etapas, incluindo a chegada de um filho. Em silêncio, uma doença rara se desenvolve, provocada pela degeneração progressiva de dois neurônios motores, um no cérebro e outro na medula espinhal. Após o diagnóstico da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), Clara tem um futuro de sonhos interrompido.

À medida que a personagem perde a fala e os movimentos, a dramaturga Marcia Zanelatto e o diretor Paulo Verlings criam quase um antiteatro, ao retirar toda a expressão da personagem.

— O personagem é aquilo que diz e faz. No caso, ela perde essa capacidade. Isso me deu a oportunidade de fazer um entrelaçamento de dois tipos de linguagem. Eu me posicionei dentro da mente da personagem, onde tem memórias, e dentro disso, remorsos, além do que gostaria de ter vivido. Pude ficar no lugar poético da imaginação e no coloquial das lembranças — explica Marcia, que escreveu o texto a partir de pesquisas da comunidade médica e de relatos de parentes e amigos de pacientes com ELA, inclusive de sua própria família.

ONDE: Teatro Sesi Centro. Av. Graça Aranha 1, Centro (2563-4163).

QUANDO: Seg e ter, às 19h30m. Até 29 de agosto.

QUANTO: R$ 20.

CLASSIFICAÇÃO: 16 anos.

FONTE: O Globo
http://rioshow.oglobo.globo.com/teatro-e-danca/pecas/ela-18063.aspx

 

Artista concorre ao Prêmio Cesgranrio como Melhor atriz em musical

Emilinha-foto-de-Guido-Giacomzzi-2-2-696x462
Emilinha (FOTO: Guido Giacomzzi )
Concorrendo ao Prêmio Cesgranrio de Teatro 2017, na categoria Melhor Atriz em Musical, pelo espetáculo “Emilinha”, Stella Maria Rodrigues vive a lendária Emilinha Borba, pela segunda vez, no teatro. No palco, Stella veste roupas originais da diva, cedidas pelo fã-clube da cantora. Com a casa sempre cheia, o espetáculo, que vem recebendo convites de teatros de todo o Brasil, encerra temporada no dia 29 de julho, mas retorna aos palcos do próprio Maison, no dia 9 de agosto, às quartas e quintas-feiras, até o dia 31 de agosto, aliás, dia em que Emilinha faria aniversário de 94 anos de idade. E até o dia 30 de julho, no mesmo espaço, Stella mostra  toda a sua versatilidade na comédia solo “Solteira, casada, viúva, divorciada”, em que vive quatro mulheres distintas, com sessão aos domingos.
Conhecida atriz de musicais, Stella Maria já deu vida a Emilinha Borba em “Emilinha e Marlene, as cantoras do rádio”, musical de sucesso encenado em 2011, ficando quase um ano em cartaz no Teatro Maison de France. Agora, ela volta ao universo da lendária diva, concentrando-se unicamente na história de Emilinha. A direção é de Sueli Guerra.
Neste musical, Stella revive episódios emblemáticos da história de Emilinha e apresenta um vasto repertório de grandes clássicos da MPB, boleros românticos e inesquecíveis marchinhas de carnaval. Grandes sucessos, entre eles CHIQUITA BACANA, ESCANDALOSA, ASA BRANCA, QUEM PARTE LEVA SAUDADE, SE QUERES SABER, MULATA YÊ YÊ YÊ, VAI COM JEITO, TOMARA QUE CHOVA, BANDEIRA BRANCA, entre outros. O roteiro é da própria Stella Maria Rodrigues e os textos de Thereza Falcão.
“Emilinha, uma das cantoras mais populares desse país, que aprendi a amar durante o musical ‘Emilinha e Marlene, as Rainhas do Rádio’. Me encanta a magia, o amor dos fãs, o repertório. Uma Época de Ouro.”, conta Stella Maria Rodrigues, que é acompanhada pela pianista e regente Cristina Bhering, pelo baterista Affonso Neto e pelo baixista Raul Oliveira. E conta com a participação do ator e cantor Fabrício Negri em alguns duetos e numa homenagem ao Programa César de Alencar. A eterna rival/amiga Marlene também é homenageada no espetáculo.
Em cena, Stella Maria veste roupas originais de Emilinha, cedidas pelo seu fã-clube para o espetáculo. E mais: uma exposição com peças do acervo de Emilinha Borba – faixas, troféus, figurinos – estará no hall do teatro durante toda a temporada. O material também foi cedido pelo fã-clube da cantora, que vem colaborando com a produção ao longo de todo processo.
A direção de Sueli Guerra, iluminação de Paulo Cesar Medeiros e a direção de produção de Valeria Macedo.
Já em “Solteira, casada, viúva, divorciada”, Stella interpreta quatro mulheres possíveis. Felizes, loucas, divertidas, estranhas, solitárias, sedutoras. Diferentemente da primeira encenação, há 26 anos, com Lília Cabral, desta vez, as histórias das quatro mulheres se entrelaçam, criando uma
narrativa de fluxo contínuo, na qual cada personagem surge da situação anterior. A direção é de Alexandre Continni.
“A encenação busca transcender os rótulos que intitulam o espetáculo, conseguindo a libertação dessas figuras representadas ali. As personagens transbordam nuances, não se limitando ao seu estado civil atual, a partir delas, nós podemos mergulhar em questões que assolam o ser humano, como a solidão, a lealdade, a aceitação, o empoderamento feminino, a liberdade sexual ou até mesmo a falta dela.”, explica o diretor.
Numa adaptação feita pelo diretor e pela atriz, as histórias das quatro mulheres se entrelaçam, criando uma narrativa de fluxo contínuo, onde cada personagem surge da situação anterior, indo e voltando ao longo do espetáculo, diferentemente da primeira encenação, há 26 anos, com Lília Cabral.
“A proposta da direção foi entrelaçar essas quatro histórias, contá-las ao mesmo tempo construindo um final apoteótico. Dessa forma elas se complementam e se unificam tratando sobre os dilemas apresentados de forma bem-humorada e delicada.”, conta o diretor Alexandre Continni.
A direção de movimento é de Sueli Guerra, a iluminação de Paulo Cesar Medeiros, o figurino de Marcelo Marques e a direção de produção de Valeria Macedo.
Serviços:
 
EMILINHA
Teatro Maison de France – Avenida Presidente Antonio Carlos 58, Centro – Telefone: (21) 2544-2533
Quinta a sábado, às 19h
Duração: 75 min
Gênero: musical
Classificação: livre
Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia entrada)
Temporada  até 29 de julho
Reestreia dia 9 de agosto
Quarta e quinta, às 19h
Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia entrada)
Temporada até 31 de agosto.
Capacidade: 353 espectadores
SOLTEIRA, CASADA, VIÚVA, DIVORCIADA
Teatro Maison de France – Avenida Presidente Antonio Carlos 58, Centro – Telefone: (21) 2544-2533
Domingo, às 18h
Duração: 75 min
Gênero: comédia
Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia entrada)
Classificação: 14 anos
Temporada até 30 de julho
Capacidade: 353 espectadores
FONTE: Sopa Cultural