O ensino médio no Brasil e a reforma proposta pela MP nº 746: entre motivações e proposições

 

A edição da MP esteve envolta em fortes contestações, protestos de intelectuais e especialistas e ocupações de escolas (da educação básica e superior). Durante o seu trâmite para tornar-se Lei, as 570 emendas apresentadas durante o processo de transformação da MP nº 746 na Lei nº 13.415, confirmam que se tratava de uma proposta polêmica.

Nesse contexto, quando perguntado sobre os argumentos que justificaram a edição da MP, pôde-se perceber que a “Exposição de Motivos” do documento procura demonstrar a urgência de uma “reforma do ensino médio” a partir dos seguintes aspectos: (a) os dados do acesso ao ensino médio no Brasil; (b) a sua má qualidade verificada por meio dos resultados dos alunos; e (c) o impacto dessa situação para o desenvolvimento do país. A análise dos dados utilizados em torno desses pontos, apontou para duas reflexões centrais. Uma primeira é que ao diagnosticar a má qualidade da oferta do ensino médio a partir dos resultados dos estudantes em processos de avaliação estandardizadas, negligenciou-se os debates travados com relação a esse tipo de avaliação, considerados como uma possibilidade para diagnosticar a qualidade do ensino, mas não a única, já que estas não considera as condições de infraestrutura das escolas; as condições de trabalho e a carreira dos professores, entre outros aspectos (AFONSO, 2000; BAUER, 2010).

Quanto ao segundo aspecto, dentre as mudanças mais polêmicas instituídas encontraram-se as seguintes:  a afirmação de que o estudante poderá escolher o itinerário com o qual possui maior afinidade, dentre os cinco “itinerários formativos” definidos pela MP, o que parece ganhar o tom de um “canto de sereia”, pois, na verdade, serão os sistemas de ensino que irão definir sobre as opções a serem ofertadas, e estas opções, com certeza, serão condicionadas por um conjunto de variáveis que não foram consideradas adequadamente.

Para finalizar, as autoras questionam se é possível defender o principal objetivo da MP nº 746, incorporado na Lei nº 13.415, com relação à flexibilização do currículo atual. Nesse caso, lembram-nos que esse aspecto do currículo a que se refere a MP nº 746, considerado “excessivamente acadêmico e desconectado da realidade do mercado de trabalho”, foi instituído pelo mesmo ministério e sistematizado por meio das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica, de 2013. Nesse contexto, pode-se concluir que, no mínimo, a MP e, posteriormente, a Lei nº 13.415 revelam-se desconectadas com o debate atual sobre o ensino médio, sobre suas condições efetivas de oferta e sobre as políticas educacionais em vigor.

http://humanas.blog.scielo.org/blog/2019/02/15/o-ensino-medio-no-brasil-e-a-reforma-proposta-pela-mp-no-746-entre-motivacoes-e-proposicoes/?fbclid=IwAR1nEf1Qc0tHlzZyM-qRmgloyy7wmB6oVS9c9xam9cHYRIUaqdjji6_hFQc

 

Ensino médio

Anúncios

Lançamento: Ensaio 102

image1.jpeg
Ensaio 102 (foto: Luíza Gueiros)

Já se encontra disponível o primeiro exemplar impresso de 2019 da revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. O número 102 conta com os seguintes artigos, disponíveis também na página da Ensaio no SciELO: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0104-403620190001&lng=pt&nrm=iso

EDITORIAL:

·  A Escola e seus Desafios na Contemporaneidade
Ivenicki, Ana
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=pt )

ARTIGOS:

·  Conflitos em escolas públicas em Portugal: análise de um programa de governo
Martins, Ângela MariaAlves, Mariana Gaio
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt )

·  Dos castigos escolares à construção de sujeitos de direito: contribuições de políticas de direitos humanos para uma cultura da paz nas instituições educativas
Carvalho, Maria Elizete GuimarãesMorais, Grinaura Medeiros deCarvalho, Bruna Katherine Guimarães
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100024&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt )

·  O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa em ação: revisão de literatura
Alferes, Marcia AparecidaMainardes, Jefferson
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100047&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt )

·  Um modelo de formação orientada ao pessoal de licenciaturas do perfil técnico para as indústrias de alta tecnologia
Saveleva, Nataliya Nikolaevna
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100069&lng=pt&nrm=iso&tlng=en )

·  A experimentação pedagógica territorial e a democratização do sistema educacional. Lições do Plano Experimental de Educação Rural de San Carlos (1944–1947)
Rubio, GracielaOsandón, LuisQuinteros, Francisca
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100088&lng=pt&nrm=iso&tlng=es )

·  Rede regionais para acreditação e avaliação da qualidade da educação superior
Santos, Margareth Guerra dosLeite, Denise
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100108&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt )

·  Modelos para a integração pedagógica de tecnologias de informação e comunicação: uma revisão da literatura.
Sosa, Olga GonzálezManzuoli, Cristina Hennig
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100129&lng=pt&nrm=iso&tlng=en )

·  Taxas longitudinais de retenção e evasão: uma metodologia para estudo da trajetória dos estudantes na educação superior
Lima Junior, PauloBisinoto, CynthiaMelo, Nilce Santos deRabelo, Mauro
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100157&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt )

·  Professores: quem são, onde trabalham, quanto ganham
Hirata, GuilhermeOliveira, João Batista Araujo eMereb, Talita de Moraes
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100179&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt )

·  “Escola sem Partido” para quem?
Capaverde, Caroline BastosLessa, Bruno de SouzaLopes, Fernando Dias
(DISPONÍVEL EM: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000100204&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt )

PRESS RELEASE |Violências nas escolas: o labirinto tem saída?

violencia

Adriana Lira
Professora adjunta do Centro Universitário UDF,
Doutora em Educação pela Universidade Católica
de Brasília, Brasília, DF, Brasil

Candido Alberto Gomes
Doutor em Educação pela Universidade
da Califórnia, Los Angeles,
Professor Catedrático da Universidade
Portucalense Infante D. Henrique,
Porto, Portugal

A pesquisa intitulada “Violências escolares: que aprendemos para a formação de professores”, publicada na Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em educação (v. 26, n. 100), revelou que professores e alunos são ao mesmo tempo autores e vítimas das violências. Os professores contribuem igualmente para o clima escolar desfavorável ao adotarem metodologias monológicas, em que mais frequentemente usam a exposição oral contínua e trabalhos mecânicos, como cópias do quadro de giz (CUSHMAN; ROGERS, 2008). Com isso, adultos e alunos se sentem mal, cada grupo reagindo com seus meios. Entretanto, um pequeno grupo de professores não tem dificuldades em suas aulas por seguirem uma metodologia dialógica, diversificada e se aproximarem afetivamente dos discentes, isto é, tratam-nos como pessoas (FREIRE, 1987).

Portanto, a maioria está despreparada para trabalhar com alunos socialmente desfavorecidos, num contexto social de violência, afetam a sua saúde e deixam de buscar soluções (GOMES; PALAZZO, 2017). Daí a formação docente precisa manter elos mais fortes entre teorias e práticas, além de renovar valores e metodologias. Há soluções de aplicação difícil, embora simples e de custo menos elevado, capazes de reduzir a violência e aumentar o interesse de todos pela escola. Este é um contraponto a pesquisas que tendem a ver educadores e educandos como vítimas ou agressores, enquanto os primeiros também concorrem involuntariamente para o mal-estar.

A pesquisa naturalística focaliza uma escola de adolescentes (6º ao 9º ano), considerada pobre e violenta, por meio de imersão durante o ano letivo de 2016. A análise documental, as entrevistas semiestruturadas com educadores e educandos e os grupos focais (ao todo, tiveram 89 estudantes participantes), a observação de aulas (total de 80 horas de observação sistemática) e do ambiente em geral retratam relações tumultuadas e autoritárias, num estabelecimento cinza e gradeado à semelhança de um presídio. Por mais que a administração se mantivesse em guarda contra eventuais agressões dos estudantes, a segurança era porosa e faltavam recursos materiais.

Os adolescentes captam as expectativas negativas dos professores e se revoltam contra normas em parte desnecessárias. Por sua vez, os professores com frequência reagem aos seus alunos sem maturidade. A comparação entre os professores que tinham paz na sala de aula e os seus colegas mostra que de fato há saídas para o labirinto.

Referências

CUSHMAN, K.; ROGERS, L. Fires in the middle school bathroom. New York: The New Press, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio: Paz e Terra, 1987.

GOMES, C. A and PALAZZO, J. Teaching career’s attraction and rejection factors: analysis of students and graduates perceptions in teacher education programs. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. 2017, vol.25, n.94 , pp.90-113. ISSN 0104-4036. [viewed 11 October 2018]. DOI: 10.1590/s0104-40362017000100004. Available from: http://ref.scielo.org/rs3wtm

Para ler o artigo, acesse

LIRA, A. and GOMES, C. A. Violence in schools: what are the lessons for teacher education?. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. 2018, vol.26, n.100, pp.759-779. ISSN 0104-4036. [viewed 11 October 2018]. DOI: 10.1590/s0104-40362018002601574. Available from: http://ref.scielo.org/3gqrq3

Link externo

Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação – ENSAIO: www.scielo.br/ensaio

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

LIRA, A. and GOMES, C. A. Violências nas escolas: o labirinto tem saída? [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2018 [viewed 10 December 2018]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/10/18/violencias-nas-escolas-o-labirinto-tem-saida/

FONTE:

Blog SciELO Humanas
http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/10/18/violencias-nas-escolas-o-labirinto-tem-saida/

PRESS RELEASE |“Democratizando o acesso ao ensino superior: classificação brasileira de cor/raça no debate sobre a ação afirmativa”

superando-preconceitos

Que contribuições a classificação de cor ou raça da população utilizada pelo IBGE pode trazer ao debate sobre Ação Afirmativa no Brasil?

Moema De Poli Teixeira
Doutora em Antropologia pelo Museu Nacional (UFRJ),
Assessora do Departamento Acadêmico da Fundação Cesgranrio,
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

O artigo com o título “Democratizando o acesso ao ensino superior: classificação brasileira de cor/raça no debate sobre a ação afirmativa” (TEIXEIRA, 2018) publicado na Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação (v. 26, n. 100) tem como objetivo refletir sobre a contribuição que a experiência do IBGE em levantamentos sobre a cor ou raça da população brasileira pode oferecer ao desenho de políticas de ação afirmativa no país. Partindo do princípio de que as estatísticas públicas são fundamentais para a construção das melhores evidências para a formulação de políticas públicas, o artigo apresenta e discute as classificações de cor ou raça utilizadas pelo IBGE nos Censos Brasileiros desde 1872, incluindo os resultados de pesquisas que testaram a designação como resposta aberta em 1976, 1998 e 2008.

Desde os anos 40, diversos cientistas sociais têm se debruçado sobre esses dados na análise das relações raciais na sociedade brasileira (AZEVEDO, 1955; FERNANDES, 1978; PINTO, 1952). Estudando as classificações utilizadas pelo IBGE entre 1872 e 1960, Costa (1974) revela que houve diversidade de critérios assim como de categorias ao longo do tempo, o que torna a principal questão dos levantamentos, saber como as pessoas se identificam racialmente e em se classificando, que critérios utilizam.

Por outro lado, os estudos sobre identidade racial revelam uma multiplicidade de termos e categorias, que podem variar de acordo com a cultura local (SHERIFF, 2002; TEIXEIRA, 1986). Em princípio, esses estudos qualitativos informam que se pode distinguir ao menos cinco níveis de classificação: a visão de um indivíduo sobre si mesmo; a visão de um indivíduo sobre alguém próximo; a visão de um indivíduo sobre uma pessoa desconhecida (feita apenas através da aparência); a visão de como um indivíduo é percebido socialmente e a descrição de como um indivíduo quer ser percebido em determinado contexto (TEIXEIRA; BELTRÃO, 2008).

O presente trabalho conclui que o debate sobre o tema precisa partir do reconhecimento das duas dimensões que norteiam as classificações raciais no Brasil: uma estrutural e outra cultural. A primeira dimensão se refere ao reconhecimento da contribuição que os levantamentos oficiais deram no passado e continuam a oferecer para o desvelamento/caracterização dos níveis de desigualdade racial persistentes no país. A segunda dimensão reconhece que as identidades étnicas e raciais, que são a base real sobre a qual os dados são construídos, precisam ser vistas como fenômenos culturais suscetíveis de mudança, o que mostra a necessidade de contínua reflexão no sentido de tentar captar, através de pesquisas, o significado dessas transformações.

O debate sobre a ação afirmativa não pode desqualificar nenhuma dessas abordagens, a fim de que um maior conhecimento dos mecanismos que regem as relações raciais no Brasil possa contribuir para o enfrentamento das desigualdades que engendram.

Referências

AZEVEDO, T. As elites de cor: um estudo de ascensão social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1955. (Brasiliana, v. 282).

COSTA, T. C. N. A. O princípio classificatório ‘cor’, sua complexidade e implicações para um estudo censitário. Revista Brasileira de Geografia, v. 36, n. 3, p. 91-106, jul./set. 1974. ISSN: 0034723x [viewed 13 August 2018]. Available from: https://rbg.ibge.gov.br/index.php/rbg

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978.

PINTO, L. A. C. O negro no Rio de Janeiro: relações de raças numa sociedade em mudança. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1952.

SHERIFF, R. E. Como os senhores chamavam os escravos: discursos sobre cor, raça e racismo num morro carioca. In: MAGGIE, I.; REZENDE, C. B. (Org.). Raça como retórica: a construção da diferença. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 213-243.

TEIXEIRA M. P. A questão da cor nas relações e representações de um grupo de baixa renda. Estudos Afro-Asiáticos, v. 14, p. 85-97, 1987.  ISSN: 0101-546X [viewed 13 August 2018].

TEIXEIRA, M. P.; BELTRÃO, K. I. O eu e o outro: a alteridade próxima na declaração de cor no quesito aberto da PME 98. Rio de Janeiro: ENCE; IBGE, 2008. (Textos para discussão; n. 24).

Para ler o artigo, acesse

TEIXEIRA, M. D. P. Democratizing the access to college education: Brazilian race/color classification in affirmative action’s debate. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. 2018, vol.26, n.100, pp.595-618. ISSN 0104-4036. [viewed 8 October 2018]. DOI: 10.1590/s0104-40362018002601768. Available from: http://ref.scielo.org/9v36kp

FONTE:

http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/10/08/que-contribuicoes-a-classificacao-de-cor-ou-raca-da-populacao-utilizada-pelo-ibge-pode-trazer-ao-debate-sobre-acao-afirmativa-no-brasil/

Lançamento: Ensaio 100

É com um imenso prazer que apresentamos a centésima edição da revista Ensaio. Esta é uma edição especial comemorativa, que contempla 30 artigos de autores nacionais e internacionais.

image2

Todos os artigos já se encontram disponíveis na página da Ensaio no SciELO.

Acesse:  http://www.scielo.br/ensaio

 

Ensaio 99 disponível no SciELO

foto 99

A revista Ensaio 99, A1 na área da Educação e Ensino, já está disponível no site do Scielo.

Neste número publicamos 10 artigos – sete em português, dois em inglês e um em espanhol -, e um editorial em português.

São contribuições de pesquisadores nacionais e internacionais que discutem questões de políticas públicas em educação no Brasil,  em Portugal e na América Latina.

Confira a Ensaio online em http://scielo.br/ensaio e leia todos os artigos abaixo na íntegra.

editorial

·  Diversidade e controle: dilemas da avaliação e do currículo?
Ana Ivenicki

artigos

·  A influência do género nas salas de aulas de ciências: um estudo com docentes e estudantes de 9º ano
Margarida Oliveira,  Pedro ReisLuís Tinoca

·  Festival de professores como uma forma orientada para a prática de aperfeiçoamento das habilidades dos professores
Elena E. Merzon,  Yury V. SenkoElena V. Salimullina

·  “O que é o bom resultado?” Indagando o sentido da avaliação e suas articulações curriculares
Rita de Cássia Prazeres FrangellaJuliana Camila Barbosa Mendes

·  Diagnósticos da escolarização básica: um confronto de perspectivas
Alceu Ravanello Ferraro

·  Desenho e construção de um instrumento de avaliação da competição matemática: aplicabilidade prática de um julgamento de especialistas
Ramón García Perales

·  O direito à diversidade na via da interculturalidade no currículo escolar
Ana Maria EyngGlaucio Luiz Mota, Mônica Luiza Simião Pinto e Cleumir Sehn

·  As redes da Educação Integral no Distrito Federal sob o prisma da Gestão Escolar
Ivonete Ferreira de Sousa, Ranilce Guimarães-Iosif e Sinara Pollom Zardo

·  O papel dos testes padronizados na política educacional para o ensino básico nos Estados Unidos
Remo Moreira Brito Bastos

·  Políticas Públicas em Educação Superior a Distância – Um estudo sobre a experiência do Consórcio Cederj
Georgia de Souza Assumpção, Alexandre de Carvalho Castro e Álvaro Chrispino

·  Formação do empreendedor social e a educação formal e não formal: um estudo a partir de narrativas de história de vida
Lucimar da Silva Itelvino, Priscila Rezende da Costa, Maria da Glória GohnClaudio Ramacciotti

Acesse a Ensaio online em http://scielo.br/ensaio

PRESS RELEASE | Contradições da valorização da “realidade” das escolas

logomarca Ensaio

 

 

 

Rodrigo Rosistolato
Professor da Faculdade de Educação da UFRJ
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Ana Pires do Prado
Professora da Faculdade de Educação da UFRJ,
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Leane Martins
Mestre em Educação e
Professora da Educação Básica,
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

 

O periódico Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, da Fundação Cesgranrio, publicou estudo sobre a recepção de políticas públicas nacionais em contextos locais, realizado por pesquisadores da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ROSISTOLATO; PRADO; MARTINS, 2018). O artigo dialoga diretamente com o debate contemporâneo sobre avaliações em larga escala (BAUER; ALAVARSE; OLIVEIRA, 2015; GRAMANI, 2017).

Rodrigo Rosistolato e Ana Pires do Prado são antropólogos e integram a equipe do LaPOpE – Laboratório de Pesquisa em Oportunidades Educacionais. Leane Martins escolheu o mesmo Laboratório para a realização de sua pesquisa de mestrado e foi orientada pelos dois antropólogos. A investigação foi financiada pela CAPES, pelo programa de pesquisa Observatório da Educação e tem relação com pesquisas anteriores realizadas pelos autores em parceria com Silvina Fernández (ROSISTOLATO; PRADO; FERNÁNDEZ, 2015).

O artigo “A “realidade” de cada escola e a recepção de políticas educacionais” analisa os processos de recepção da Prova Brasil e dos dados oriundos do Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB em um município da região metropolitana do Rio de Janeiro. Os pesquisadores descobriram que as representações e as opiniões sobre as políticas públicas – apresentadas por gestores e sindicalistas – não são necessariamente sustentadas por conhecimento técnico com relação à própria política. Os entrevistados, no decorrer da investigação, apresentaram posicionamentos contrários às avaliações em larga escala – como a Prova Brasil – e defenderam seus argumentos afirmando que esse tipo de avaliação não considera a “realidade” de cada escola avaliada. A valorização da “realidade das escolas”, segundo os entrevistados, transformaria as avaliações externas, tornando-as menos injustas. Os autores do estudo, no entanto, argumentam que essa valorização, embora tenha uma conotação positiva relacionada ao reconhecimento das diferenças e da estratificação inerente aos sistemas educacionais, acaba por criar um cenário contraditório, em que parte dos estudantes matriculados em uma rede pública municipal de educação podem vir a ser sentenciados a uma educação reduzida porque seria mais “adequada” à sua “realidade”.

Os resultados apontam um conjunto de desafios para as políticas educacionais. O principal é a formação de gestores públicos para o entendimento e o uso efetivo dos dados produzidos por avaliações em larga escala. Considerando que as percepções e opiniões sobre qualquer política pública são independentes de conhecimento técnico relacionado à mesma, o primeiro passo desse processo de formação de gestores parece ser a relativização de visões e preconceitos sobre as ações do Estado para a organização dos sistemas educacionais brasileiros.

 

Referência

ROSISTOLATO, R.; PRADO, A. P. do and FERNÁNDEZ, S. J. Cobranças, estratégias e “jeitinhos”: avaliações em larga escala no Rio de Janeiro. Est. Aval. Educ., São Paulo, vol. 25, no. 59, p. 78-107, set./dez. 2014. ISSN: 0103-6831 [viewed 23 February 2018}. Available from: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1940/1940.pdf

Para ler os artigos, acesse

BAUER, A.; ALAVARSE, O. M. and OLIVEIRA, R. P. de. Avaliações em larga escala: uma sistematização do debate. Educ. Pesqui. [online]. 2015, vol.41, no.spe, pp.1367-1384, ISSN 1517-9702 [viewed 26 February 2018]. DOI: 10.1590/S1517-9702201508144607. Available from: http://ref.scielo.org/pwbytx

GRAMANI, M. C. Análise dos determinantes de eficiência educacional do estado do Ceará. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. 2017, vol.25, no.95, pp.507-526, ISSN 0104-4036 [viewed 26 February 2018]. DOI: 10.1590/s0104-40362017002500811. Available from: http://ref.scielo.org/wbvp89

ROSISTOLATO, R.; PRADO, A. P. do and MARTINS, L. R. A “realidade” de cada escola e a recepção de políticas educacionais. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., vol. 26, no. 98, p. 112-132, 2018. ISSN: 0104-4036 [viewed 21 February 2018]. DOI: 10.1590/s0104-40362018002601074. Available from: http://ref.scielo.org/3dq7zz

Acesse a Ensaio no Scielo:

www.scielo.br/ensaio

 

FONTE: ROSISTOLATO, R., PRADO, A. P. and MARTINS, L. Contradições da valorização da “realidade” das escolas [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2018 [viewed 07 March 2018].
Available from:
http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/03/07/contradicoes-da-valorizacao-da-realidade-das-escolas/