O mercado da competência linguística e o nível socioeconômico

Kaizô Iwakami Beltrão, Professor Titular da EBAPE/FGV e Chefe da Estatística do Departamento Acadêmico da Fundação Cesgranrio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

A literatura está repleta de estudos que mostram que a competência linguística é um fator essencial para o sucesso na vida escolar, e mais tarde, para o sucesso na vida laboral. Grande parte do sucesso no manejo da língua oral e escrita é uma herança familiar. Mas, será que esta herança ainda é importante nos níveis mais altos de ensino?

Diferentemente do senso comum de uma escola equalizadora, Bourdieu e Passeron (1970) defenderam a tese de que a escola seria o principal locus para legitimar e perpetuar as diferenças de classe. Isso é reforçado pelos múltiplos testes de proficiência utilizados para monitoramento de políticas públicas, que privilegiam o uso da linguagem formal como parte dos instrumentos e, portanto, penalizam os participantes com menor domínio da língua. No mercado de trabalho, exames e entrevistas pessoais também privilegiam a linguagem formal.

O texto “Effects of social class on the use of written language: does it extend into Brazilian higher education?” publicado no v. 20 n 112 da na revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação procura responder a questão se há um efeito estatisticamente significativo de classe social no manejo da linguagem formal. Utilizando dados dos exames do Enade, foram ajustados modelos hierárquicos para as notas de desempenho linguístico (português), usando como covariáveis, indicadores da condição socioeconômica e autonomia financeira dos alunos e valores médios dessas variáveis para as áreas de conhecimento. O desempenho linguístico é desagregado em três aspectos: textual, ortográfico e vocabulário/morfossintático.

Imagem: Adobe Stock.

Classes sociais mais altas apresentaram maior proficiência no componente linguístico do Enade, mesmo controlando pela média do nível socioeconômico e da autonomia financeira dos alunos da área. O efeito classe social não é tão forte quanto em níveis educacionais mais baixos, mas universitários constituem um grupo social homogêneo que já passou por uma seleção (só 17,4% da população de 25 anos ou mais tem curso superior). Isso reforça a tese de Bourdieu (1966) de que por meio do capital social, cultural e econômico ainda prevalece o domínio das classes mais ricas sobre as classes mais populares, reforçando a desigualdade.

O comentário final é o óbvio: É importante implementar políticas com foco específico na eliminação destas desigualdades educacionais, em particular, nas competências ligadas ao manejo da linguagem formal. Disponibilizar educação para todos não pode ser suficiente, há que se disponibilizar educação de qualidade para todos.

Referências

BOURDIEU, P. L’école conservatrice: Les inégalités devant l’école et devant la culture. Revue française de sociologie [online]. 1996, vol.07, no.03, pp. 325-347 [viewed 26 July 2021]. Available from: https://www.persee.fr/doc/rfsoc_0035-2969_1966_num_7_3_2934

BOURDIEU, P. and PASSERON, J. C. La reproduction. Éléments d’une théorie du système d’enseignement. Paris: Minuit, 1970.

Relatório Formação Geral – Desempenho Linguístico Enade 2019 [online]. INEP. 2019 [viewed 26 July 2021]. Available from: https://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/relatorio_sintese/2019/Enade_2019_Relatorios_Sintese_Area_Formacao_Geral_-_Desempenho_Linguistico.pdf

Relatório Formação Geral – Desempenho Linguístico Enade 2018 [online]. INEP. 2019 [viewed 26 July 2021]. Available from: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/relatorio_sintese/2018/Formacao_Geral_Desempenho_Linguistico.pdf

Para ler o artigo, acesse

BELTRÃO, K. I., et al. Effects of social class on the use of written language: does it extend into Brazilian higher education? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação [online]. 2021, vol.29, no.112, pp.618-6432019 [viewed 26 July 2021]. https://doi.org/10.1590/S0104-403620210002903156. Available from: http://ref.scielo.org/8n53nq

Links Externos

Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação – ENSAIO: www.scielo.br/ensaio

Autor: Revista Ensaio

A Revista "Ensaio", de nível internacional, constitui fonte de estudo e de pesquisa para todos os que se interessam pela área de avaliação e políticas públicas em educação. Publicação trimestral internacional, da FUNDAÇÃO CESGRANRIO, com tiragem de 1.500 exemplares, de distribuição gratuita, Ensaio congrega, em seus Conselhos Editorial e Consultivo, educadores internacionais de notório saber, mestres e doutores nas áreas por ela abordadas, para melhor atender à sua especificidade. Avaliada no qualis CAPES como sendo A1 na área de Educação, a Ensaio é uma revista que discute a realidade da educação brasileira, além disso, prima pela amplicação do debate pois abre espaço para que pesquisadores estrangeiros publiquem estudos sobre a realidade educacional de seus países. Trata-se de um veículo de divulgação de pesquisas, levantamentos, estudos, discussões e outros trabalhos críticos no campo da educação, concentrando-se nas questões da avaliação educacional e das políticas públicas em Educação, enfatizando as experiências e perspectivas brasileiras. Ensaio é pluralista do ponto de vista das ideias e das escolas de pensamento, interdisciplinar do ponto de vista das preocupações e metodologias empregadas por seus colaboradores. A revista promove intercâmbio com países da América Latina, México, Espanha, Portugal e a Comunidade de Língua Portuguesa, mantendo também a publicação de artigos em Espanhol e em Inglês. Ensaio tem sido contemplada com o apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da CAPES/MEC, cumprindo os requisitos necessários para o recebimento de auxílio editoração. Recebeu conceito internacional "A1" na avaliação dos Periódicos Científicos em Educação realizada, em 2013, pelo Quallis/CNPq e é indexada no SciELO - Scientific Eletronic Library Online e na CLASE - Citas Latinoamericanas em Ciencias Sociales y Humanidades (México, UNAM), BBE, DOAJ, Educ@, OEI, EDUBASE, LATINDEX, REDALYC, SIBE, SCOPUS. Buscando se modernizar e atender aos novos padrões das revistas acadêmicas de excelência, a partir de 2015 a revista Ensaio adotou o sistema de submissão de artigos totalmente online. Para acessar o sistema, os autores deverão se cadastrar no site da revista e escolher um login e senha. Com estes dados em mãos, poderão não só submeter os seus artigos, mas também acompanhar todo o processo de avaliação: http://revistas.cesgranrio.org.br/ A Ensaio também adotou o ahead of print. Esta modalidade agiliza a divulgação das pesquisas, aumentando o tempo de exposição dos artigos, beneficiando diretamente nossos leitores e autores. Os artigos publicados em AOP contam com DOI e ficam disponíveis tanto no nosso site, quanto no site do Scielo até serem destinados a um número específico. Informamos também que a Ensaio continua existindo nos dois formatos, o impresso e o online, e com a mesma periodicidade. A qualidade continua sendo importante para a Ensaio e as melhorias feitas visam contribuir para o objetivo maior do periódico: a ampliação do debate sobre a Educação em tempos difíceis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s