Uma questão de prioridade

ciencia-e-tecnologia-1
Foto: Arquivo Google

Convidamos todos a ler o artigo  do professor Paulo Alcântara Gomes, no qual evidencia a importância da ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento dos países. Infelizmente, o Brasil não está levando isso em consideração ao deixar de investir em pesquisa, ao cortar bolsas e ao deixar uma universidade como a UERJ fechar as portas.

 

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicou no final do ano de 2016 o Relatório intitulado “Science, Technology and Innovation Outlook”, que analisa e projeta para os próximos anos os efeitos das megatendências sobre as políticas cientificas e de inovação nacionais, sobre a cooperação internacional e sobre a formação de quadros técnicos e científicos para atender às necessidades e demandas do crescimento sustentável das nações.

O que são as megatendências?

São as mudanças econômicas, sociais, ambientais, políticas e tecnológicas que geram profundas transformações, influenciando a longo prazo, as atividades humanas, os processos de desenvolvimento e a qualidade de vida.

Dentre elas se destacam o crescimento demográfico, o envelhecimento das populações, a globalização, o aquecimento global, a crescente influência das tecnologias de informação e comunicação, a bioengenharia e as neurociências. Estas megatendências irão modelar as agendas da pesquisa e desenvolvimento e das futuras inovações.

É interessante destacá-las, enfatizando suas relações com a Ciência, a Tecnologia e a Inovação (C,T&I), pois o avanço destas poderá influenciar na dinâmica daquelas e, dessa forma, alterar os índices de geração de emprego e renda, ampliar os efeitos da globalização, reduzir os níveis de poluição e criar pressões sem precedentes sobre os recursos naturais.

Provavelmente, ciência, tecnologia e inovação ocuparão mais espaços por todo o planeta, em decorrência do crescimento das economias emergentes, da crescente atuação global de muitas empresas multinacionais e do fracionamento do conjunto de atividades desempenhadas pelas organizações, fruto da especialização cada vez maior.

A produção e a disseminação de novos conhecimentos crescerão e aumentará a demanda por quadros técnicos e científicos mais preparados. A maior mobilidade internacional poderá diminuir a escassez de mão de obra qualificada nos países receptores.

O relatório destaca que, na década passada, 15% dos trabalhadores em C,T&I na Europa eram imigrantes. Nos Estados Unidos este percentual chegava a 22%. Ao mesmo tempo, a robótica e a inteligência artificial contribuirão fortemente para aliviar a escassez de mão de obra e, mais uma vez, C,T&I serão determinantes.

Angus Deaton, em seu livro “A Grande Saída”, menciona que uma menina nascida hoje, nos Estados Unidos, tem 50% de chances de chegar aos 100 anos de vida. Em 1910, sua bisavó, tinha a expectativa de vida de 54 anos.

O envelhecimento populacional deverá aumentar o número de pessoas com mais de 60 anos dos atuais 900 milhões para 1,4 bilhão em 2030. Robótica e neurociências, por exemplo, produzirão inovações capazes de apoiar fortemente o aumento da expectativa de vida. A população mundial deverá passar dos 7,4 bilhões atuais para 8,5 bilhões em 2030, com pressões sem precedentes por recursos naturais, alimentos e energia, que exigirão novos esforços em ciência e tecnologia.

Se as tendências se mantiverem, a demanda por água crescerá 50% até 2050. A exploração indiscriminada dos aquíferos e o aumento do nível de poluição das águas exigirão novas e melhores tecnologias, com a introdução de novas práticas agrícolas.

As estimativas da Agência Internacional de Energia indicam um aumento de 37%, até 2040, na demanda por energia, o que implicará o emprego de fontes renováveis de energia e mudanças estruturantes na matriz energética mundial.

O Acordo de Paris estabeleceu como meta um aquecimento máximo de 2ºC até 2050, o que exigirá uma forte redução da emissão de gases. Os desafios das mudanças climáticas e da degradação ambiental deverão se tornar dominantes nas agendas de pesquisa, incrementando a cooperação internacional.

Evidentemente, ciência e tecnologia passaram a ser consideradas prioridades no desenvolvimento das nações mas, infelizmente, nosso país insiste em vê-las como pouco relevantes.

 

Paulo Alcantara Gomes

FONTE: O Globo – Blog do Noblat
http://noblat.oglobo.globo.com/artigos/noticia/2017/08/uma-questao-de-prioridade.html

 

Anúncios

Autor: Revista Ensaio

A Revista "Ensaio", de nível internacional, constitui fonte de estudo e de pesquisa para todos os que se interessam pela área de avaliação e políticas públicas em educação. Publicação trimestral internacional, da FUNDAÇÃO CESGRANRIO, com tiragem de 1.500 exemplares, de distribuição gratuita, Ensaio congrega, em seus Conselhos Editorial e Consultivo, educadores internacionais de notório saber, mestres e doutores nas áreas por ela abordadas, para melhor atender à sua especificidade. Avaliada no qualis CAPES como sendo A1 na área de Educação, a Ensaio é uma revista que discute a realidade da educação brasileira, além disso, prima pela amplicação do debate pois abre espaço para que pesquisadores estrangeiros publiquem estudos sobre a realidade educacional de seus países. Trata-se de um veículo de divulgação de pesquisas, levantamentos, estudos, discussões e outros trabalhos críticos no campo da educação, concentrando-se nas questões da avaliação educacional e das políticas públicas em Educação, enfatizando as experiências e perspectivas brasileiras. Ensaio é pluralista do ponto de vista das ideias e das escolas de pensamento, interdisciplinar do ponto de vista das preocupações e metodologias empregadas por seus colaboradores. A revista promove intercâmbio com países da América Latina, México, Espanha, Portugal e a Comunidade de Língua Portuguesa, mantendo também a publicação de artigos em Espanhol e em Inglês. Ensaio tem sido contemplada com o apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da CAPES/MEC, cumprindo os requisitos necessários para o recebimento de auxílio editoração. Recebeu conceito internacional "A1" na avaliação dos Periódicos Científicos em Educação realizada, em 2013, pelo Quallis/CNPq e é indexada no SciELO - Scientific Eletronic Library Online e na CLASE - Citas Latinoamericanas em Ciencias Sociales y Humanidades (México, UNAM), BBE, DOAJ, Educ@, OEI, EDUBASE, LATINDEX, REDALYC, SIBE, SCOPUS. Buscando se modernizar e atender aos novos padrões das revistas acadêmicas de excelência, a partir de 2015 a revista Ensaio adotou o sistema de submissão de artigos totalmente online. Para acessar o sistema, os autores deverão se cadastrar no site da revista e escolher um login e senha. Com estes dados em mãos, poderão não só submeter os seus artigos, mas também acompanhar todo o processo de avaliação: http://revistas.cesgranrio.org.br/ A Ensaio também adotou o ahead of print. Esta modalidade agiliza a divulgação das pesquisas, aumentando o tempo de exposição dos artigos, beneficiando diretamente nossos leitores e autores. Os artigos publicados em AOP contam com DOI e ficam disponíveis tanto no nosso site, quanto no site do Scielo até serem destinados a um número específico. Informamos também que a Ensaio continua existindo nos dois formatos, o impresso e o online, e com a mesma periodicidade. A qualidade continua sendo importante para a Ensaio e as melhorias feitas visam contribuir para o objetivo maior do periódico: a ampliação do debate sobre a Educação em tempos difíceis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s